Akatsuki no Yona – Quando a dor nos transforma

©Akatsuki no Yona – Studio Pierrot

Oie!!! Aqui é a Manu mais uma vez no Animystic, e dessa vez vou falar sobre umas das minhas obras favoritas, Akatsuki no Yona.

Akatsuki no Yona ( Yona of the Dawn) é um shoujo bem completo, pois tem drama, aventura, fantasia, muitas batalhas, muita comédia e pitadas de romance. O mangá é escrito por Kuzanagi Mizuho, foi lançado em 2009, e é publicado pela Hana to Yume no Japão (e pela Shojo Beat nos EUA). Conta com adaptação em anime com 24 episódios (+ 3 OVAS), produzidos pelo Studio Pierrot em 2014.

É uma obra muito bem feita, as cenas de batalha nem parecem estar num shoujo. O crescimento dos personagens é incível, os alívios cômicos são muito bem colocados, e no anime a trilha sonora se encaixa muito bem.

Amo a forma em que a amizade é abordada, pois é daquelas em que viram uma família onde todos fariam de tudo para protegerem uns aos outros.

Quando gosto muito de algo, assisto ou leio várias vezes, e esse foi o caso… Esta obra te prende, pois proporciona alegria, tristeza, gargalhadas, sorrisos bobos, expectativas, orgulho, ships (muitos)… E quando começo a falar, não quero mais parar… Mas vou tentar me conter…

UM AVISO: O post vai ficar um pouco grande, e terá alguns spoilers (mais do anime)… Então, se não gosta, corre lá, assista (tem na Crunchyroll) e depois volte aqui… Agora, se assim como eu, não liga de tomar spoilrs, vamos em frente…

O início

A história passa no reino de Kouka (dividido em 5 Tribos: Céu, Vento, Fogo, Terra e Água), e inicialmente somos apresentados aos personagens:

  • Yona – Princesa de Kouka, mimada, egoísta, apaixonada pelo primo, e só se preocupa com seus cabelos vermelhos e rebeldes;
  • Son Hak – Amigo desde a infância/guarda-costas da Yona, General e Líder da Tribo do Vento (tem o apelido de Besta do Trovão);
  • Soo Won – Bondoso primo da Yona, e amigo desde a infância do Hak;
  • Rei Il – Pai da Yona, e é um rei que não gosta de armas e de guerras, é bondoso, porém é tido como covarde.

No início da história, Yona discute com o pai sobre noivado, e diz que só se casará com Soo Won, porém seu pai diz que não permitirá, pois seu marido será Rei e terá a vida sob ameaça.

©Akatsuki no Yona – Studio Pierrot

Na noite anterior ao seu aniversário de 16 anos, Yona se declara para Soo Won, e durante a festa ganha dele uma presilha de cabelo, logo depois Hak diz a Soo Won que apoia o casamento dos dois (e apesar de ser apaixonado por Yona, ele está sendo sincero).

Após a festa, decidida a casar com Soo Won, Yona vai falar com o pai novamente, e ao chegar nos aposentos do Rei, o encontra sendo assassinado por Soo Won (não é spoiler, acontece no 1º capítulo do mangá e anime).

©Akatsuki no Yona – Hana to Yume

Soo Won diz matou o Rei em vingança pelo assassinato de seu pai, e que será o novo Rei. Como Yona viu tudo, Soo-Won manda que os soldados a matem… porém Hak chega, luta com os soldados e Soo Won, e com a ajuda de um dos servos do Rei Il, consegue fugir do castelo levando Yona.

©Akatsuki no Yona – Hana to Yume

A fuga

Na fuga Yona fica sem reação, sendo praticamente carregada por Hak que a leva para a Tribo do Vento. Ao mesmo tempo, para justificar o “sumiço” dos dois, Soo-Won acusa Hak de matar o Rei e sequestrar a princesa.

©Akatsuki no Yona – Studio Pierrot

Já na Tribo do Vento, os dois descobrem que para Soo-Won ser coroado, precisará da aprovação dos generais das 5 tribos, porém como Hak e Mundok (avô do Hak, e antigo líder da Tribo) não aprovam, com a ajuda da Tribo do Fogo, Soo-Won começa a prejudicar a Tribo do Vento.

©Akatsuki no Yona – Hana to Yume

Para que seu povo não seja prejudicado, Hak devolve a posição de general e o sobrenome para o avô, e diz para ele aceitar a coroação de Soo-Won. É quando Yona reage e toma iniciativa, e faz o mesmo pedido a Mundok.

Por orientação de Mundok, Yona e Hak partem atrás de um sacerdote que poderá dizer qual o destino de Yona.

O despertar

Enquanto procuram o Sacerdote, Yona e Hak são perseguidos por soldados da Tribo do Fogo que são liderados pelo filho do General, Kan Tae-Jun (que alguns anos antes, queria se casar com a Yona, porém para despista-lo Yona e Hak disseram que estavam noivos), que quer resgatar a princesa e matar Hak.

©Akatsuki no Yona – Studio Pierrot

Hak leva uma flechada nas costas, Yona ouve que a flecha estava envenenada, e ao ver Hak fraco, ela desperta e parte para a luta para ajudá-lo. Esse despertar é lindo, pois começamos ver uma Yona diferente daquela princesa mimada, pois para proteger a única pessoa que lhe restou, ela fica com fogo nos olhos.

©Akatsuki no Yona – Studio Pierrot

Yona vê Hak pendurado no precipício, tenta ir socorrê-lo, porém é pega pelos cabelos por Kan Tae-Jun, e para se soltar, temos uma cena estilo Sakura (em Naruto), pois ela toma a espada de Kan Tae-Jun e corta seus cabelos, escapando, e indo ao encontro do Hak. Porém, ao tentar puxar Hak, os dois caem do penhasco, e enquanto estão caindo, Hak a protege com seu corpo.

Quase mortos, são resgatados por Yun um bishounen gênio, que mora com o Ik-Su, o Sacerdote. Enquanto isso, Kan Tae-Jun vai até o castelo e conta para Soo-Won da “queda/morte” dos dois.

©Akatsuki no Yona – Studio Pierrot

Yun é um faz tudo, e apesar de tratar Hak e Yona, deixa claro que tem ressentimentos pela realeza, e através da grosseria de Yun, Yona percebe que não conhece nada sobre o reino, e pede que Yun conte mais a ela.

©Akatsuki no Yona – Studio Pierrot

O Sacerdote tem a visão de uma profecia, e diz que Yona é a reencarnação do Rei Hiryuu, que foi o fundador de Kouka, (existe uma lenda que diz que ele era o Dragão Vermelho, e que amava tanto os humanos que veio para a terra, e alguns humanos ganharam poderes dos outros dragões para protegê-lo), e que seu primeiro passo é ir atrás dos 4 dragões, para protegê-la.

“A escuridão caiu sobre a Terra. O sangue dos dragões vai reviver mais uma vez… E o pacto antigo será mantido. Quando os dragões se reunirem a Espada e o escudo que protegem o rei devem despertar… E o Dragão vermelho deve restaurar o amanhecer no fim.”

E assim, Yona e Hak partem junto com Yun em busca dos dragões em uma jornada maravilhosa…

A busca pelos Dragões

Durante a busca, cansada de ser fraca, Yona diz a Hak que quer aprender a lutar, porém Hak não quer dar uma espada a ela, então, a ensina usar o arco e flecha, pois poderá se proteger e criar uma abertura para fugir, caso sejam atacados.

©Akatsuki no Yona – Hana to Yume

Encontrando o 1º Dragão

©Akatsuki no Yona – Studio Pierrot

 

O primeiro Dragão que encontram é Ki-Ja, o Hakuryuu (dragão branco), e ele estava aguardando a reencarnação do Rei, pois sua vila foi criada com a missão de servi-lo. Seu poder é o braço direito do Dragão, que é muito forte e pode crescer durante uma batalha. Ele leva muito a sério seu papel de proteger o Rei, e rapidamente se une ao grupo.

Inicialmente parece que vai ser um chato mimado, porém ele é muito engraçado (principalmente seu medo de insetos) e ingênuo. Sua lealdade como Dragão Branco é admirável, e sua extrema vontade de proteger Yona faz com que crie uma rivalidade com Hak, que o apelida de cobra branca.

Ele se desenvolve muito bem, tem um grande crescimento como pessoa (principalmente no mangá), apesar de ainda continuar um pouco ingênuo com seus sentimentos.

©Akatsuki no Yona – Studio Pierrot

 

Encontrando o 2º Dragão

©Akatsuki no Yona – Studio Pierrot

Com a ajuda de Ki-Ja, o segundo Dragão que encontram é Shin-Ha, o Seiryuu (dragão azul), e ao contrário de Ki-Ja, ele não sabia que seu poder provinha dos Dragões com o objetivo de proteger o Rei, na verdade ele cresceu acreditando que seu poder era uma maldição, e assim, vivia isolado de todos em sua vila.  Seu poder é os olhos do Dragão, que são capazes de enxergar longe e também podem paralisar as pessoas se olharem em seus olhos.

Ele é muito tímido, e o único ser com que convivia nos últimos anos é Ao uma esquilinha muito fofa. E devido a acreditar que é amaldiçoado, demora um pouco mais a se unir ao grupo, porém Yona consegue conquistá-lo, e ele finalmente se reúne ao grupo (até então ele não tem nome, e é Yona que dá o nome de Shin-Ha a ele… e é uma cena linda).

Como ele é muito na dele, é um dos personagens que menos vemos o desenvolvimento, pois seu desenvolvimento vai sendo muito sutil.

©Akatsuki no Yona – Studio Pierrot

Encontrando o 3º Dragão

©Akatsuki no Yona – Studio Pierrot

Novamente com a ajuda de Ki-Ja, eles encontram o terceiro Dragão, que é Jae-Ha, o Ryokuryuu (dragão verde), porém, apesar dele saber da lenda, ele não quer servir ao Rei, pois ele quer ser livre e não quer servir alguém por destino. Seu poder é a perna direita do Dragão, que é muito forte, e com ela, ele consegue pular tão alto que parece que está voando.

Apesar de ele não querer se juntar ao grupo, temos um arco inteiro na cidade dele, pois a cidade é governada pelo Lorde Yang Kum-Ji que está atormentando a cidade, e capturando mulheres para vende-las como escravas para o país vizinho.

Jae-Ha é um pirata, e seus companheiros lutam para acabar com Kum-Ji, e ao saber disso, Yona quer se juntar a eles, pois quer ajudar a livrar a cidade desse mal. Sendo assim, eles se encontram com a Capitã Gi-gan, que só irá aceitar em seu bando quer realmente for útil, e então Yona tem que provar ser capaz de cumprir uma missão (nada fácil) que a Capitã da a ela.

©Akatsuki no Yona – Studio Pierrot

Eles armam um plano para capturar Kum-Ji, que envolve Yona e Yun (vestido de mulher) sendo capturados para serem vendidos como escravos, para que eles possam saber em que barco estará a mercadoria (e vemos como a amizade entre Yona e Yun está linda).

Temos então uma batalha em alto mar entre o bando pirata com o bando de Kum-Ji, e é nesse arco que vemos Yona usar o arco pela primeira vez, e é lindo… Tanto que eu os personagens ficamos de queixo caído.

©Akatsuki no Yona – Studio Pierrot

Então, após eles libertarem a cidade das mãos de Kum-Ji, Jae-Ha escolhe seguir Yona, e ajudar protegê-la. Porém, antes de saírem da cidade, Yona tem um encontro inesperado, que a deixa sem chão.

©Akatsuki no Yona – Hana to Yume

Jae-Ha (ou olhos caídos, que é como Hak o apelida) é meu dragão favorito, ele e Hak juntos são os melhores personagens da história. Ele é mulherengo, sarcástico, e acaba se apaixonando por Yona, porém percebe que Hak também é, e fica irritando ele o tempo todo, criando até mesmo oportunidades entre eles.

Sendo encontrados pelo 4º Dragão

©Akatsuki no Yona – Studio Pierrot

Ao saírem da cidade de Jae-Ha, os três Dragões se reúnem para discutir onde estará o ultimo Dragão, enquanto isso eles param para uma refeição. Nisso aparece um garoto com a barriga roncando de fome, e Yona o convida para a refeição.

Descobrimos então que ele é Zeno, o Ouryuu (dragão amarelo), que é um andarilho, e assim que Yona o convida, ele entra para o grupo. Seu poder é de ter o corpo forte como o do Dragão, e sarar mais rápido devido a isso.

Enquanto estavam em busca dos Dragões passaram por diversas  cidades, onde Yona viu que as pessoas do reino, desde os tempos de seu pai, sofrem muito pela pobreza e fome, pois apesar de seu pai ser pacífico, acabou deixando o povo nas mãos dos generais, que por sinal, não estavam tão satisfeitos assim com o Rei.

©Akatsuki no Yona – Studio Pierrot

Todos eles vão se encontrar com o sacerdote, onde Zeno questiona Yona sobre o que quer fazer agora que reuniu os Dragões. Yona então decide que eles irão de cidade a cidade, e ver como podem ajudar seu povo.

Nesse ponto, Yona já é uma arqueira muito boa, e começa a treinar também com uma espada. E no último episódio, tem uma cena linda, onde demonstra bem o sentimento de amor, orgulho e respeito que Hak tem por Yona (Hak é meu crush 2D).

©Akatsuki no Yona – Studio Pierrot

Basicamente é assim que acaba o anime (no capítulo 47 do mangá). Os OVA’s são sobre o Rei Hiryuu e os primeiros dragões, e também sobre a história do Zeno (que é aproximadamente no capítulo 100 do mangá).

O Dragão Maligno e o Bando Faminto e Feliz

Continuando no mangá então, o grupo começa a viajar por diversas cidades, onde terá novos personagens importantes, e também temos o retorno de outros personagens, que por sinal mudam da água para o vinho.

Eles começam a “roubar” dos bandidos que roubam os vilarejos, e dos soldados que cobram mais impostos que as pessoas podem pagar, e se tornam um grupo de bandidos chamados de O Dragão Maligno e o Bando Faminto e Feliz (por sinal, o Dragão Maligno/Negro é como eles apelidam o Hak).

©Akatsuki no Yona – Hana to Yume

Vão resolvendo diversos problemas pelas cidades que vão passando, desde problemas com pessoas morrendo de fome e doenças, a problemas de tráfico de drogas e tráfico humano. E junto, com eles, também temos alguns dos novos personagens que ajudam na mudança dessas cidades.

©Akatsuki no Yona – Hana to Yume

Nessa fase, Yun é um dos personagens mais importantes, pois como é um sabe tudo, ajuda encontrar as mais variadas soluções para os problemas, além de ser a mãezona do grupo.

©Akatsuki no Yona – Hana to Yume

Apesar de ser um shoujo, a história aborda temas como política e ética com muita sutileza (até que ponto você matar alguém por um bem maior é válido?). E nessa fase, você nem sabe mais se realmente odeia o vilão da história…

O Romance

Bem, se você assistir o anime esperando o desenvolvimento do romance, sinto muito te decepcionar, pois o anime vai tratar praticamente só a paixão/desilusão de Yona por Soo-Won, as indiretas que Hak manda pra Yona (que Deus, é muito lerda!), e as jogadas do Jae-Ha.

©Akatsuki no Yona – Studio Pierrot

O romance é lento, mas é compreensível, pois Yona era apaixonada por Soo-Won e foi traída por ele, então ela demorar para se interessar por outra pessoa é natural. Porém, apesar de lento, é lindo! Vemos ela se apaixonando por Hak sem se dar conta, vamos nos frustrando, rindo, tendo nossos corações aquecidos, e nos apaixonando por Hak também (rapazes, até vocês terão que admitir que Hak é um sonho).

©Akatsuki no Yona – Studio Pierrot

O crescimento de Yona como pessoa vai sendo acompanhado pelo crescimento desse amor. Fica muito claro para nós que ela esqueceu o Soo-Won, porém enquanto guarda a presilha que ganhou de presente, Hak pensa que ela ainda ama Soo-Won.

A forma como o Hak foi machucado pela traição do Soo-Won, dói em nós. Ele amava Yona, e amava seu amigo de infância, e estava disposto a abrir mão do seu amor, para que eles ficassem juntos. E pensar que Yona ainda sente algo por Soo-Won faz com que ele sofra ainda mais, e para aliviar a dor, ele fica provocando Yona.

©Akatsuki no Yona – Hana to Yume

A relação de Hak e Yona é linda, pois vai além do amor romântico, eles tem um respeito e carinho muito grande um pelo outro, ambos dariam suas vidas pela do outro. E esse respeito e carinho é o que vai abrindo o coração de Yona. Yona começa a perceber seu sentimento por Hak através do ciúmes e da tensão sexual que vai criando entre eles, ela até mesmo dá um beijo em Hak, o que pega ele e nós de surpresa.

No mangá, eles já admitiram que gostam um do outro, a declaração do Hak é de certa forma hilária, pois foi mais um desabafo que qualquer outra coisa (isso na frente de Yun e dos dragões), e Yona recebe a declaração surpresa, pois não acreditava que Hak gostasse dela assim (fala sério, a garota é cega!!)… Na verdade os dois acreditavam ser amor não correspondido.

©Akatsuki no Yona – Hana to Yume

Bem, há muito mais na história do que coloquei aqui… e olha que já coloquei muiiiita coisa… Vemos Soo-Won tendo que trabalhar Yona e Hak… Vemos personagens morrendo e nos deixando sem fôlego….

Mas gente, já falei demais… Então acreditem, vale a pena cada segundo que passamos com essa obra. Então vão lá, não percam tempo, assistam, leiam e depois venham para falarmos muito, juntos!!!

Posts Relacionados