Onani Master Kurosawa e o Dilema do Porco Espinho

Onani Master Kurosawa é um doujinshi (mangá de publicação independente) com autoria de Katsura Ise. 

© Onani Master Kurosawa

O protagonista, Kakeru Kurosawa, é um estudante do ensino fundamental que sempre evita ao máximo interagir de qualquer maneira com seus colegas de classe e se considera superior a eles. Este comportamento junta-se ao seu maior segredo: todo dia após a aula ele entra sorrateiramente no banheiro feminino do terceiro andar e se masturba para uma de suas colegas de classe.

Esta sua ação é a maneira que ele encontra de exercer sua superioridade e sua “justiça”. Todas as garotas da escola são objetos com o único objetivo de satisfazê-lo. O mangá faz questão de sempre mostrar de maneira metódica os detalhes e precauções que Kurosawa toma para que esta ação seja possível e não seja descoberta. Precauções estas que não são poucas.

Certo dia ao entrar no banheiro Kurosawa se deparada com Aya Kitahara, uma garota pequena, que como o próprio personagem diz, se parece com um esquilo. Pego no flagra! Kurosawa para desviar de qualquer suspeita afirma que foi solicitado que tirasse de lá os materiais de limpeza previamente deixados, a garota assente e vai embora rapidamente.

© Onani Master Kurosawa

Também de início somos apresentados ao “Mr. Couve-flor” um garoto não muito popular que Kurosawa chama de “Rei dos Otakus”. O colega de classe de aparência peculiar é extremamente comunicativo e carismático, sempre que tem a oportunidade convida Kurosawa para passeios e idas ao karaokê, convites estes que Kurosawa faz questão de negar.

©Onani Master Kurosawa

Após estes incidentes somos apresentados ao novo semestre, uma nova sala, novos colegas e novos objetos para o prazer de Kurosawa. O Mr Couve-flor continua na mesma sala do protagonista, e, para a surpresa deste, Kitahara Aya também está na sua nova classe. Logo descobrimos que esta sofre bullyng de outros colegas e com muita frequência é exposta a situações vergonhosas para o entretenimento destes.

Logo de início nosso protagonista demonstra uma identificação quase nunca antes vivenciada pro ele com essa garota. Os dois não interagem muito com a sociedade e desviam de contato humano. Kurosawa nunca teve um passado mostrado na obra, então os motivos para ele tomar essa postura são desconhecidos, mas, os de Kitahara são óbvios. O bullyng não é novidade pra ela, e como consequência os outros estudantes tentam não interagir com ela com medo de se tornarem as próximas vítimas. Então a única maneira de socialização que esta conhece até então é a agressão.

Após mais uma brincadeira de mal gosto ser feita contra Kitahara o nosso protagonista decide que ele precisa tomar uma ação e punir as agressoras, no maior estilo Death Note. Sua maneira de fazer isto é se masturbar nas roupas de uma das agressoras e então devolvê-la para que toda a classe veja. Diga-se de passagem que este ato toma a forma de um estupro na imaginação de Kurosawa. Após isto Kitahara descobre o segredo de Kurosawa e obriga-o a fazer o mesmo com outras garotas, o ameaçando de relevar o que sabe. Esta é até então a única maneira possível que a garota sabe de se defender de suas agressoras, algo que ela nunca havia imaginado, uma possibilidade se abriu para ela.

Como parte das precauções para executar sua “justiça diária” o protagonista sempre passa uma hora lendo na biblioteca. Este fato se torna importante quando, na temporada de chuvas, Takigawa Magister decide aguardar na biblioteca o fim da chuva antes de ir embora. Está é classificada por Kurosawa como uma das “top 3 beldades” da sala. É uma garota alegre e carismática, que se enturma facilmente com todos. Ele acaba conversando um pouco com Kurosawa e os dois acabam se tornando quase que amigos (a primeira pessoa que ele autoriza romper o seu “muro social”).

© Onani Master Kurosawa

E então chegamos a viagem escolar. O grupo do protagonista tem como integrantes importantes Kitahara e o “Mr. Couve-Flór”, aparentemente uma viagem totalmente exaustiva e chata para Kurosawa. Mas, Takigawa decide passar um pouco de tempo com o grupo de Kurosawa e este surpreendentemente se diverte na viagem (talvez por função dela presença dela), até que recebe um chamado repentino de Kitahara e esta diz que precisa que duas pessoas sejam “eliminadas”. Pizza-ta, um integrante do grupo que aparentemente estaria interessado em Kitahara (isto seria resolvido com ela e Kurosawa fingindo ser um casal, simples), o outro alvo é Yashiro Mako, uma garota de outra classe que costumava participar do bullying contra Kitahara. Vale ressaltar que as agressões contra ela eram coisa do passado, no momento ela já não representava nenhuma ameaça a Kitahara, o que a irritou foi ver essa garota aparentemente muito feliz com um garoto, segundo esta, ela ser “abençoada pelos deuses” dessa maneira é imperdoável.

Kitahara e Kurosawa fingem ser um casal no próximo dia, mas, logo quando Kurosawa avista Takigawa, se nega a segurar a mão de Kitahara. O protagonista se prepara para executar seu plano para acabar com a relação de Yashiro, mas não consegue colocar as ações em prática ao observar e admirar a relação amorosa dos dois (e talvez imaginar ele mesmo numa relação daquele tipo).

Voltamos a escola, todos do grupo se divertem comentando a viagem (Takigawa inclusa). Os dias continuam chuvosos, e Kurosawa continua passando tempo com Takigawa. Este diz que passar tempo com ela traz um certo prazer, que ele nunca tinha presenciado antes, pela primeira vez, interagir socialmente com alguém o agrada. Os dias passam e ele fica cada vez mais próximo a ela, até que, chegamos as férias de verão. Estas são complicadas para Kurosawa, por várias vezes sai para andar pelas ruas com uma esperança boba de encontrar com Takigawa, obviamente, sem sucesso.

Finalmente as férias acabas e voltamos as aulas, Kurosawa descobre que o Mr. Couve-flor frequentou o mesmo curso que Takigawa, é a primeira vez que ele sente ciúmes de alguém. No primeiro dia de chuva que Kurosawa tem a oportunidade de conversar com Takigawa esta acaba lhe contando que já foi uma pessoa reclusa, que não tinha amigos, mas ao entrar no ensino fundamental ela decidiu mudar e se tornar alguém mais comunicativa e carismática, esta diz que ainda se sente insegura sobre a nova postura e que ainda não se acostumou completamente. Isto desperta em Kurosawa uma vontade de fazer algo semelhante, talvez ele também possa mudar e se tornar alguém melhor.

Uma coisa que ela diz o afeta muito peculiarmente: “esta foi a primeira vez que eu falei com um garoto sobre isto.” É um choque para ele, até então ele nunca pensou que tivesse esperanças de se relacionar amorosamente com ela, mas com essa declaração isto talvez seja possível! Até que, no mesmo dia, ele recebe um pedido de Kitahara, mais uma pessoa precisa ser punida, Takigawa Magister. Esta não diz o motivo dela ser o alvo, apenas diz que se Kurosawa não fazer isto irá se arrepender. Ele assume uma postura agressiva contra Kitahara e se nega ao ato.

No próximo dia na escola, algo totalmente inesperado a Kurosawa aconteceu, Takigawa começou a namorar com Mr. Couve-flor. A primeira e a única pessoa que ele permitiu atravessar a sua barreira social o feriu a pior maneira possível. Antes, quando ele negava todo contato com outros alunos ele nunca seria capaz de experimentar o “prazer” que sentia a conversar com Takigawa, mas com certeza não sofreria desta maneira, uma troca.

Kurosawa começa a se tornar paranoico, Takigawa corta o cabelo e “muda sua personalidade”, Kurosawa julga ser por influência do seu namorado, e isto ele não pode aceitar. A garota perfeita que ele tinha em mente sendo “poluída” pela pessoa que ele mais odeia? É impossível pra ele aguentar.

Ele decide aceitar o plano inicial de Kitahara e “punir” Takigawa, ejacular na sua bolsa era o plano. Já não tinha mais ponto, pois a relação entre os dois já havia se formado e não iria acabar, era apenas pelo prazer de atacar Takigawa. Esta por sua vez se torna perceptivelmente mais desconfortável na escola nos dias após o incidente causado pro Kurosawa. Este agora já não se importa mais com nada e continua promovendo punições a pedido de Kitahara. Numa destas performances ele decide abrir o armário de Takigawa e ver o que ela tinha desenhado para a aula de artes com o tema “meus sonhos para o futuro.”

© Onani Master Kurosawa

Juntamente com este desenho estava a frase “A coisa mais divertida que eu fiz nesse últimos três anos foi a viajem escolar. Quando eu me graduar eu quero ir de novo com todos.” Este era o sonho de uma garota uma vez reclusa e tímida. O seu maior tesouro. Kurosawa então percebe o quanto a sua “punição” afetou Takigawa. Quem destruiu aquela pessoa que ele tinha em mente não foi o Mr. Couve-flor, foi ele.

A culpa então se torna impossível de aguentar, com o intuito de pagar pelo que fez, Kurosawa declara a culpa por tudo que vez em frente de toda a turma. Nos dias que se seguem o bullyng contra ele se torna comum, agressões são recorrentes e obviamente ninguém tenta se aproximar dele.

Kitahara então questiona o motivo dele ter confessado, ela não consegue entender como alguém se sujeitaria aquilo voluntariamente… Ele então diz que ao ver aquela pintura desejou ter mais daquelas conexões verdadeiras com as pessoas, e que não poderia fazer isto sem antes se livrar da culpa que carregava.

Mr. Couve-flor é o primeiro a “aceitar” Kurosawa. Desta vez ele não se nega a interagir com ele, pelo contrário. Ele agora ajudava Kurosawa a superar e aguentar o bullyng, o que tornava tudo muito mais fácil. Um dos objetivos de Kurosawa passando por isso era servir de exemplo para Kitahara, mostrar para ela a beleza das relações humanas, mas, o contrário disso acontecia. Ela se tornou cada vez mais reclusa e entrou num estado mental perigoso.

Finalmente temos o encontro de Kurosawa com Takigawa. Descobrimos que ela estava a muito tempo querendo ajudá-lo, mas não conseguia arranjar forças para falar. Kurosawa se desculpa e os dois voltam a ser amigos. Isto ajudava Kurosawa a decidir que seguiria a profissão de novelista, e, entre em um cursinho para ajudar a estudar.

Então um incidente ocorre. Kitahara Aya, já não aguentando mais o bullyng e não vendo nenhuma saída para ele decide se auto mutilar com um estilete. Esta então sai da escola e não é mais vista. Chegamos então ao dia da graduação. O bullyng contra Kurosawa continua, mas este já não se mostra mais tão vulnerável.

Após um curto time-skip Kurosawa decide visitar Kitahara. Este já não tem mais a aura antissocial típica de sempre, pelo contrário, se mostra como alguém amigável e extrovertido, ele removeu por completo a barreira social que sempre costumava carregar. Em contraste, Kitahara após tantas agressões e decepções elevou essa barreira ao máximo. Já não sai mais do seu quarto, prefere não interagir com ninguém (provavelmente por medo de se machucar de novo), a mãe se sente desesperada e com medo. Mas isto nem de longe impede Kurosawa, este está determinado a mudá-la. A conversa não da muitos frutos, ela mal responde o que Kurosawa diz, mas isto também não o abala.

Eles decidem fazer um encontro com todos os membros da antiga sala do fundamental. Kurosawa já chega quase atrasado, mas diz que precisa fazer algo e volta em 30 minutos.

© Onani Master Kurosawa

Ele vai tentar convencer Kitahara a ir. Esta de início obviamente é totalmente relutante a ideia, mas após muito esforço de Kurosawa (ele até cita a pintura de Takigawa a qual ela estava inclusa), Kurosawa diz a ela que tem uma nova garota na qual ele está interessado, Kitahara pergunta se ele não tem medo de que as coisas não deem certo ou se ele não tem medo do ensino médio, este responde que sim, tem muito medo, que talvez se as coisas não deem certo ele fique mal por um tempo, mas por fim diz que não quer perder a chance de tentar. Ele diz que ela deveria tentar abrir esta porta que separa ela das outras pessoas, que isto tornará possível ela conhecer as pessoas de verdade. Após isto os dois chegam ao encontro, o qual é rapidamente cortado e não vimos muito sobre ele. E a partir dai não vemos muito mais sobre Kitahara.

Mais a frente somos apresentados a tal garota que Kurosawa estava interessado. Esta era uma garota que praticava bullyng contra Kitahara no ensino fundamental. Apesar da personalidade forte e agressiva percebemos que ela é só mais uma pessoa que está com medo das mudanças que o ensino médio traz e da vida adulta no geral. Kurosawa finalmente a convida para ver um filme no dia do natal, e ela aceita. Este é o último estágio de socialização do nosso protagonista, a superação de um suposto “trauma” que foi criado no ensino fundamental. Agora ele se torna uma pessoa capaz de se conectar com outras e criar laços reais, é alguém completamente diferente do começo da obra.

Com isto temos o final do arco do protagonista e o final da obra. Apesar da premissa incomum e das aparências, Onani Master Kurosawa é uma obra muito sensível que aborda muito bem temas complexos. Com certeza é algo que vale a pena deixar o preconceito de lado e dar uma olhada.

© Onani Master Kurosawa

Follow Me:

Posts Relacionados