Primeiras Impressões: Hachigatsu no Cinderella Nine

Hachigatsu no Cinderella Nine

Gênero: Esporte e Escolar

Estúdio: TMS Entertainment

Fonte: Jogo

Diretor: Susumu Kudo (Baby☆Love, Magic Kaito 1412)

Data de lançamento: 07 de abril

Sinopse: É no início do verão que Arihara Tsubasa entra no Colégio Regional de Rigahama e descobre que eles não têm um clube de beisebol, então ela decide inaugurar um por conta própria. O Clube de Beisebol Feminino de Rigahama percorre os desafios da juventude.

Análise e opinião pessoal sobre o Enredo

Baseado no jogo de mesmo nome da Akatsuki e Kadokawa, Hachigatsu no Cinderella Nine apresenta a relação e o dia-a-dia de Tsubasa Arihara e Cia na vida escolar. Abordando o baseball – feminino – como pano de fundo, o que é demonstrado de forma rasa no início do primeiro episódio, Hachigatsu no Cinderella Nine contempla os pequenos problemas pessoais de suas personagens como: traumas, indecisões, medos e frustrações, contudo o primeiro episódio não entrega somente coisas ruins, ele também nos concede uma resolução não tão desconhecida, mas já um pouco – se não muito – batida do tipo: apresentação, conflito e solução (apelativo no quesito final feliz, mas não deixa de ser fofinho).

©Hachigatsu no Cinderella Nine/TMS Entertainment

Análise técnica

Quando eu soube que Jin Tanaka era o responsável pela composição da série – visto que ele trabalhou em Yurucamp – eu repensei em assistir o anime, pois eu não sou muito fã de animes baseados em jogos. É um dos poucos trabalhos de character design do Takayuki Noguchi que eu dei carta branca, sinceramente não gostei do trabalho dele em Tenshi no 3P!. A animação é visualmente linda e a trilha sonora casa com a animação. Penso que o trio Susumu Kudo, Jin Tanaka e Takayuki Noguchi não foram de má escolha para a composição de toda obra, levando em conta de que é um animê baseado em jogo.

©Hachigatsu no Cinderella Nine/TMS Entertainment

Pontos positivos X Pontos negativos

Dar ponto negativo por ser baseado em um jogo seria muita desconsideração da minha parte e uma visão reducionista sobre animes, portanto eu diria que o ponto negativo do episódio seria a falta de foco no baseball. Ah! Ren, mas por que? Simples. Eu esperava um animê de baseball feminino. Fui tapeado. O ponto positivo eu devo ter deixado mais explicito que a comprovação do buraco negro. Pode não parecer, mas o roteiro batidinho assim, me agrada, a trilha sonora agradável e a animação que é visualmente fofa me encantam, porém ainda não deixo de pensar que cabia mais baseball ali.

©Hachigatsu no Cinderella Nine/TMS Entertainment

Será que vale a pena fazer a regras de três? (assistir os três primeiros episódios)

SIM!

Nota para o episódio: 3/5

Vinicius Raphael

Bibliófilo praticante de camping, trilha e entusiasta de Teatro e Circo. Fã de Akira Toryama, Osamu Tezuka, Masami Kurumuda, Haruki Murakami, Bob Dylan e Hayao Miyazaki. Animes que eu indico: Natsume Yuujinchou, Kino’s Journey – The Beautiful World e às animações do Studio Ghibli.

Posts Relacionados