Review Místico: Shigatsu wa Kimi no Uso

Shigatsu wa Kimi no Uso – Ficha Técnica

Gênero: Drama, Musical, Romance, Vida Escolar
Estúdio: A-1 Pictures
Baseado em: Mangá
Número de Episódios: 22
Estreia: 2014

O que falar de Kimi No Uso? Esse anime que realmente é uma obra-prima, mas o que se transformou nessa maravilha? É difícil falar sobre esse anime, não sei se irei conseguir passar tudo o que quero aqui (provavelmente não conseguirei), porém, tentarei mostrar ao máximo cada sentimento que ele nos proporciona, de um início lento a um final lindo com um sorriso triste no meio termo, algo assim o definiria, se é que existe.

O estúdio dispensa comentários, o A-1 Pictures é um dos mais regulares; e com o diretor certo, obtém sucesso ao entregar coisas acima da média. Kyohei Ishiguro, diretor de animação, conseguiu ser bastante regular, como todas as obras que teve participação. Takao Yoshioka, compositor de série, é experiente; trabalhou em diversas obras e cumpre um excelente trabalho; aperfeiçoaram e melhoraram o conteúdo original junto a seu staff e, principalmente, ao diretor de trilha sonora, transformando em uma verdadeira obra-prima.

Character designer realmente lindo, ambientação sem comentários, as cores mudam de acordo com o sentimento que o episódio quer passar; em partes tristes, o tom da cor fica mais escuro e denso; e nas partes alegres, há cores intensas, que, transmitem um verdadeiro significado. Para um anime do gênero, Kimi no Uso foi bem fluído, conseguiu transmitir, a cada cena, a sua importância dentro do enredo.

Sobre os temas de abertura e encerramento, o que temos a dizer? Se eu fosse resumir, diria que são maravilhosas como a obra em si, mas vamos falar um pouco sobre as respectivas:

Temas de aberturas:

#1: “Hikaru nara (光るなら)” de Goose house(episódios 1-11)

Abertura bastante animada; combina com os episódios iniciais.

#2: “Nanairo Symphony (七色シンフォニー)” de Coala Mode. (コアラモード.) (episódios 12-22)

É bem melhor que a da primeira parte, te envolve mais e há pontos bastante positivos; tais como memórias e partes emocionantes.

Temas de encerramentos:

#1: “Kirameki (キラメキ)” de Wacci (episódios 1-11)

Música um tanto emocional: provoca os sentimentos de quem escuta.

#2: “Orange (オレンジ)” de 7!! (episódios 12-21)

Aaaaaaah! Cara, por quê? Não consigo falar sobre essa, que triste! Só escutem e sintam.

#3: “Orange (オレンジ) (Acoustic Ver.)” de 7!! (episódios 22)

Mesma coisa da anterior. Resumidamente triste!

©A-1 Pictures

Se lembram que no primeiro parágrafo fiz uma pergunta? Sobre o que falar de Kimi no Uso? Pois é, o que falar? Chegamos à essa parte; é um anime que abrange acontecimentos. Tais como: evolução de personagens, superação de traumas, relacionamentos em geral e, o mais importante deles, qual realmente o sentido da vida? Por que um talentoso garoto, um prodígio, não conseguia ouvir o som das notas musicais de seu piano? Simples, traumas de seu passado, que foram sendo decorridos durante seus aprendizados; quando era privado de fazer outras coisas como um garoto normal.

Começamos já sendo apresentados a um protagonista, que, até o momento, não dispõe carisma nenhum. E seus dois amigos Watari e a Tsubaki (Vulgo amiga de infância); assim fomos sendo apresentados aos detalhes que faltavam para iniciarmos de forma calma e leve; e sentimos esse clima quando Arima conhece Kaori.

Tudo foi bem-escrito; desde o primeiro momento que se conheceram ao decorrer dos episódios. Foi bem trabalhado, e com um alívio cômico importante nesses episódios iniciais. A cada episódio, você fica mais preso para saber o que vai acontecer. Até vermos um hospital… e como todo mundo sabe, hospitais em animes normalmente não são bons!

Provavelmente, é a única parte cômica (ou não!) que vocês vão ver nesse texto, quando eu estava procurando um anime para ver, apareceu lá! Shigastu wa Kimi no Uso, parei e falei, é esse, mas a anta aqui, não olhou o gênero e “maratonou” em um dia. No começo falei: que romance interessante! Não! Olha ela indo para o hospital cara. Aí que eu percebi onde eu tinha me metido; terminei realmente triste!

Mas, voltando ao que interessa! Foi bonito ver como a Kaori ajudou o Arima a superar todos aqueles traumas que o prendiam. Do momento em que ele aceitou ser a dupla dela na apresentação, aquele momento foi onde percebemos como ela seria importante para ele.

©A-1 Pictures

Prosseguindo

Passamos a metade do anime focando em resolver e superar esses traumas do Arima, a forma que ela “preencheu” aquilo que lhe faltava foi maravilhosamente lindo, sem explicação, é algo que você assiste e sente! Não tem como dizer em outras palavras, pode até ter, mas eu não as tenho agora.

Mas quais eram os traumas do Arima? Com o excesso de treinamentos impostos pela sua mãe. A cada erro, ele apanhava por não tocar ou alterar a partitura; foi gerando um desconforto em Arima, que, começou a não se divertir mais. Chegamos ao limite quando a mãe dele começa a ficar debilitada devido a uma doença e, em uma apresentação, ele altera um pouco a música; fazendo assim que ela batesse nele. Tal ato fez ele dizer que esperava a morte dela (e aconteceu); quando ela realmente se foi, aquilo ecoou dentro de si.

Olhando por um lado, você vê a mãe dele como errada, mas não foi bem assim. Ela sabia que iria morrer e queria deixar algo que ele pudesse fazer, algo que realmente o sustentasse e não o deixaria sozinho… algo que ficaria dentro dele para sempre; e era a música. Ela não estava descontando nele o fato de não ter tido uma carreira, e sim deixar tudo que ela podia para ele.

©A-1 Pictures

Continuando

Após a superação desse trauma, entram novos personagens; bastante legais por sinal. Aqueles típicos rivais que acabam se tornando amigos do nosso protagonista. Começamos o drama da Kaori, até começamos a ter certeza do que viria pela frente,  seria… posso usar muitas palavras para isso, então deixarei para vocês.

Em muitos momentos, algumas coisas se aproximam da vida real; o Arima percebeu que amava a Kaori, mas preferiu não ir a fundo nisso, pois pensava que ela realmente gostava do amigo dele. Isso gerou um certo medo em perder a amizade dela, caso se confessasse.

Os momentos que ele tem com sua atual instrutora, amiga da sua mãe (ajuda também vermos no que ela também influenciou e influência na vida dele), mostra que ela realmente se preocupa com ele; outros momentos legais é quando ele vira instrutor da irmã de seu rival. Somente nos mostra a evolução que o personagem teve e está tendo.

Por fim, quando Kaori ajudou Arima, automaticamente, ela estava se ajudando. Como assim? Kaori realiza o seu sonho com o Arima e ainda de “sobras” faz ela não desistir da vida, foi basicamente isso.

Que tanto de coisa confusa não? Arima sempre soube porque não conseguia tocar, Kaori decidiu dizer a verdade no fim do anime; e Tsubaki que sempre amou o Arima não teve coragem de dizer, preferia se enganar dizendo que gostava de outro. Muitas coisas que achamos que aconteceram por um motivo, eram por outros! Se você assistir o anime pela segunda vez, irá ter uma sensação totalmente diferente da primeira.

©A-1 Pictures

Querido Arima Kousei,

É estranho escrever uma carta para a pessoa que estava aqui até a pouco. Você é uma pessoa terrível. Lerdo, tapado, imbecil. A primeira vez que te vi, eu tinha cinco anos. Foi durante o recital da escola de piano que eu frequentava. O garoto apareceu tão nervoso, fez todos rirem quando ele bateu o bumbum na cadeira. Ele sentou em frente ao piano, que era grande demais para ele, e, no momento que tocou a primeira nota… ele se tornou o objeto de minha admiração.

O som era colorido, igual a uma paleta de 24 cores, a melodia saia dançando. Me assustei quando a garota do meu lado começou a chorar. Mesmo assim, você parou de tocar piano. Depois de influenciar minha vida do jeito que fez… é um cara terrível mesmo. Terrível, lerdo, imbecil. Quando soube que estávamos na mesma escola, eu fiquei nas nuvens. Como conseguiria falar com você? Talvez eu devesse comprar sanduíches todos os dias? Mas, no final, eu fiquei apenas te observando de longe. Pois vocês eram unidos demais. Não havia espaço para eu entrar ali.

Tive uma cirurgia quando era criança, então eu fiz tratamento com regularidade. Depois que eu desmaiei na sétima série, foram internações; uma atrás da outra. O tempo que eu ficava no hospital passou a ser mais longo. Mal pude ir para a escola. Eu havia entendido que não estava bem de saúde. Certa noite… quando eu vi minha mãe e meu pai chorando na sala de espera do hospital, percebi que não tinha muito tempo. E foi nessa época… que eu… comecei a correr.

Fiz tudo que queria para não levar meus arrependimentos para o céu. Usei aquelas lentes de contato que tinha tanto medo. Comi um bolo inteiro, não fiz antes por me importar com meu peso. Aquelas partituras tão arrogantes, que nos dão ordens, eu toquei do meu jeito. E então… disse uma mentira. Miyazono Kaori gosta do Watari Ryouta … Essa foi a mentira que eu disse.

E essa mentira… trouxe até a minha frente… Arima Kousei… ela trouxe você para mim.

Por favor, diga ao Watari que peço desculpas. Bem, o Watari talvez logo se esqueça de mim. Ele é divertido como amigo, mas eu prefiro alguém mais intenso. E também… por favor, diga à Tsubaki que eu peço desculpas. Sou uma pessoa de passagem que vai desaparecer. Não quero deixar para traz coisas ruins, por isso não pude pedir para a Tsubaki. Aliás, mesmo que eu fosse direta e pedisse: “Por favor, me apresente o Arima “, eu não acho que ela me daria uma resposta positiva.

Afinal, a Tsubaki era louca por você. E todos já sabiam disso. Os únicos que não sabiam eram você… e ela mesma. A pessoa que foi trazida pela minha mentira temporária era diferente do que eu imaginei. Você era mais negativo e passivo que pensei. Cabeça dura e insistente. Sua voz era mais grave do que pensei, era mais homem do que pensei. E exatamente como imaginei, uma pessoa gentil. O rio estava tão gelado e me senti tão bem quando pulamos na ponte da coragem, não acha?

A lua redonda que vimos da sala de música parecia um manju delicioso. Quando apostamos corrida com aquele trem, eu pensei que poderíamos vencê-lo. Foi divertido cantarmos o “brilha, brilha, estrelinha”… de baixo das estrelas que cintilavam, não foi?

Tenho certeza que há algo na escola que aparece durante a noite. Não acha que a neve parece com as pétalas das flores de cerejeira? Apesar de ser musicista, é estranho ter tantas preocupações fora do palco… isso não parece ter sentido, não é? É estranho que as cenas que são tão inesquecíveis sejam coisas tão simples, não acha? E quanto a você? Será que consegui morar no coração de alguém? Será que consegui morar no seu coração?

Acha que vai se lembrar de mim, pelo menos um pouco?

Não pode apertar o botão “reset”. Não se esqueça de mim, está bem? É uma promessa, hein? Eu fico feliz por ter sido você. Será que vai chegar até você? Espero que sim! Arima Kousei! Eu te amo! Te amo! Te amo!

Desculpa por não terminar de comer os caneles. Desculpe por te bater tanto. Desculpe por ser tão manhosa. Desculpa, um milhão de vezes. Obrigada!”

Em linhas gerais

Tem como não chorar? Olha essa sinceridade nessa carta! É tipo quando cai a ficha de tudo que está ocorrendo, quando tudo começa a fazer sentindo e desaparece entre seus dedos; quando você supera tudo e vem algo e te bate mais forte. Tudo passando pela sua cabeça novamente, se repetindo por um ciclo sem fim…

Essa carta é tipo o ponto que representa tudo. É o ápice sendo atingindo que te enche realmente com os mais diversos sentimentos inexplicáveis; do mais simples, ao mais intenso, de uma forma bastante (como podemos dizer?) colorida (não sei se colorida é a palavra certa, mas serve!), como a própria carta diz é “igual a uma paleta de 24 cores”.

O que seriam os sentimentos para vocês? Eles podem variar muitas vezes! Você pode achar que está sentindo uma coisa e estar sentindo outra (Acontece frequentemente!). Mas, nessa carta, vemos um sentimento de admiração se iniciar no momento que Arima aparece para Kaori; que inspira ela a fazer coisas, buscar o que deseja; levando a ter um interesse por traz desse sentimento, que vai se desenvolvendo em partes. E como todos sabem, amar também é saber dizer adeus!

E por que amar é saber dizer adeus? Nesse caso do anime foi óbvio, né? Ela resolveu somente dizer a verdade na carta, pois somente ela sabia a verdade! (Confuso, não?) Sim, porém, com sentindo! Ela sabia que iria morrer e não queria que ele sofresse mais com isso, caso confessasse.

©A-1 Pictures

Todo mundo vai morrer algum dia! Isso é certeza, mas devemos sempre buscar a felicidade! Ela pode estar em alguma pessoa ou até mesmo em você, pode ser um discurso clichê (pode, não é?), entretanto, é valido para toda a sua vida. Então, não deixem para dizer depois o que podem dizer agora.

Se eu tivesse que deixar uma nota aqui, com certeza seria 10! Não, seria mas do que isso, seria impossível basear-se apenas em números para descrever essa obra prima, que te prende desde o começo.

Márcio Vinicius

Vindo dos esportes eletrônicos e apaixonado pela Cultura japonesa, aqui estou eu lindo, pleno e maravilhoso! Animes que eu indico: Sword Art Online, Shigatsu wa Kimi no Uso e Haikyuu

Posts Relacionados