REVIEW – O Serviço de Entregas da Kiki – Quando Temos Que Crescer

Hello gente bonita, aqui é a Andressa e dessa vez vou falar um pouquinho sobre uma animação do queridíssimo Studio Ghibli.

©Kiki’s Delivery Service/Studio Ghibli

Dados Técnicos

     O Serviço de Entregas da Kiki foi pensado por Hayao Miyazaki com o intuito de mostrar o amadurecimento das jovens japonesas. O filme foi lançado em 1989, sendo o quarto do Estúdio. E olha que houve até parceria com a Disney no que tange a dublagem em inglês. A história da animação não é nada de tão fantástico se tratando de heróis e vilões super malvados com poderes incríveis da forma que a MARVEL e a DC sempre traz nas telinhas do cinema, mas sim uma história de uma bruxinha partindo para uma vida de independência de um jeito simples, bonito e profundo. 

©Kiki’s Delivery Service/Studio Ghibli

     Agora vou falar um pouquinho sobre o enredo, se você ainda não viu a animação, veja antes de ler o próximo parágrafo. É claro, se você quiser pode continuar lendo mesmo sem ter visto.

     Vamos nessa! Vruuuuuuum.

O Enredo

     A animação começa com Kiki, uma jovem bruxinha que está completando 13 anos, e que se torna dessa forma independente. A sua jornada começa definitivamente quando ela e seu gatinho preto Jiji deixam sua casinha em um lugar rural e partem para uma nova cidade. Afinal toda bruxa tem o seu gatinho preto.

©Kiki’s Delivery Service/Studio Ghibli

 

     Logo ao chegar lá, ela encontra um menininho fofo de óculos chamado Tombo, que fica encantado pelo fato dela ter uma vassoura e saber voar com ela. Isso acaba fazendo com que ele fique curioso e vá conversar com ela.

     Tudo é novo para Kiki, ela conhece muitas pessoas e começa a trabalhar como entregadora. Nesse processo ela vai aprendendo um pouco mais sobre si mesma e amadurecendo com as adversidades da sua nova vida, pois não é nada fácil não ter seus pais ali para a apoiar em suas decisões. Com tudo isso, ela começa a desenvolver sua autonomia e sua relação com Tombo, um personagem fascinado por aviação que estava desenvolvendo uma espécie de bicicleta voadora, muito maneira por sinal. Os dois vivem momentos bem cômicos e o fim da animação é marcado por uma turbulência em que o Tombo quase cai de um dirigível. Foi um problemão, mas Kiki pegou uma vassoura emprestada com um senhorzinho, apesar dele não querer emprestar. Ela estava com dificuldades para conseguir voar, mas apesar de tudo, conseguiu superar e salvar o garotinho. A cena pós-créditos é linda, pois mostra os pais da Kiki lendo uma carta feita por ela e podemos perceber o quanto ela se tornou forte. 

©Kiki’s Delivery Service/Studio Ghibli

Sobre a Animação

     A animação é bem trabalhada e mostra bem a qualidade do Studio Ghibli, sempre tomando cuidado com cada detalhe e enquadramento. Os cenários são sempre ricos em cores e no filme, as paisagens são animadas de forma apoteótica. O responsável pela trilha sonora é o grande compositor e diretor musical Joe Hisaishi, que consegue transportar o telespectador por meio da música para o universo criado por Miyazaki. Sobretudo, esse é um dos papéis da música e Joe aproveita muito bem. Vale ressaltar também que na época em que a animação foi produzida a tecnologia não era tão evoluída quanto hoje e mesmo assim não deixa nem um pouco a desejar, principalmente pela qualidade técnica e pelos traços originais.  

©Joe and Miyazaki/Studio Ghibli

A Mensagem Transmitida Pelo Filme

     O Serviço de Entregas da Kiki é um filme que conta uma história de amadurecimento, pois nem sempre teremos a nossa família ao nosso lado. E de certa forma também sobre o novo, o inusitado e o medo humano daquilo que ele desconhece. É muito fácil para jovens que estão se tornando independentes se identificar com a protagonista, pois todo o processo de crescimento dela é feita de forma gradual. 

    Quando Kiki chega na cidade, ela conhece novas pessoas e demora um tempinho até ela se acostumar com o ambiente e as circunstâncias. A protagonista começa a trabalhar como entregadora e utiliza a vassoura como meio de transporte, ela começa feliz mas com o passar do tempo ela fica sem inspiração e tudo aquilo que ela faz passa a não fazer mais sentido e ela acaba por perder sua confiança. Só no momento em que Kiki se lembra o porquê de fazer o que ela faz é que ela encontra forças para continuar voando. 

     E é por isso que é muito importante que a gente nunca esqueça o motivo inicial que nos levou a fazer algo, para que o que fazemos não se torne automático e vazio. Porque com o passar do tempo todas as pessoas são obrigadas a crescer e a amadurecer, e trabalhar é algo necessário para que qualquer tipo de sociedade funcione. Logo tudo o que resta é sempre encontrar beleza em todos os aspectos e funcionalidades da vida e crescer com as adversidades que ela nos apresenta, assim como a bruxinha fez. E é claro, como o grande mestre Miyazaki sempre mostra nas obras dele, apreciar e observar os momentos mais simples na natureza e fazer pausas para observar o quanto as paisagens podem ser tranquilizadoras e bonitas. 

©Kiki’s Delivery Service/Studio Ghibli

 

Curiosidades 

  • A animação O Serviço de Entregas da Kiki foi baseada na novela de Eiko Kadono, que tem o mesmo nome do filme. 
  • O filme recebeu o prêmio “Animage Anime Grand Prix“. 

Isso é tudo gente bonita. Eu tenho um amor imenso pelo Studio Ghibli e espero escrever muito mais sobre as animações desse Estúdio maravilhoso. 

 

Andressa Araújo

Empolgada, curiosa e ansiosa por natureza. Tenho uma enorme admiração pela cultura oriental e amo joguinhos, arte, ciência e animes. Odeio a monotonia e meu maior sonho é criar uma máquina do tempo para impedir os portugueses de fazerem merda em território alheio. Animes que eu indico: Steins;gate, Mekakucity Actors, Fullmetal Alchemist e Sangatsu no Lion.
Follow Me:

Posts Relacionados