Review sem spoiler do Filme Boku no Hero Academia: Two Heroes

Olá leitores místicos do Animystic! Aqui é o Vulpixs para trazer um review SEM SPOILERS do filme de Boku no Hero, que foi estreado no começo de agosto desse ano. Já que fui pessoalmente assistir o filme, irei expor um pouco da minha experiência sobre o filme. Estão curiosos? Então venham comigo!

Nome do Filme: Boku no Hero Academia: Two Heroes
Gênero: Ação, comédia, escolar, super poderes e shounen (demografia)
Studio: Bones
Estreia: 03 de agosto de 2018
Duração: 1 hora e 36 minutos (96 minutos)
Site Oficial: Aqui

 

Sinopse do Filme
All Might recebe um convite do seu amigo David Shield, no qual decide levar Deku junto para a gigantesca e artificial ilha móvel, chamada de I-Island (Ilha I). Esta ilha pode ser intitulada como “Hollywood da Ciência”, pois reúne os maiores cientistas do mundo todo para apresentar suas invenções mecânicas de heróis, no evento denominado de “I-Expo”. Lá, Deku irá conhecer Melissa Shield, que assim como ele, é uma garota sem poderes heroicos. Neste meio tempo, Deku, seus colegas da U.A. e Melissa terão que enfrentar um poderoso vilão onde tentou hackear o sistema da I-Island e aprisionar os heróis da cidade como reféns.

 

Análise de enredo

Boku no Hero: Two Heroes começa muito bem para os que nunca chegaram a conhecer a obra e caíram de supetão dentro do filme, já que o mesmo começa com uma breve introdução dos primeiros episódios em que são apresentados todas as cargas dramáticas do protagonista Midoriya Izuku ao saber que não nasceu com um poder heroico, até a parte em que seu destino é traçado com o All Might.

A série realmente teve todo o cuidado possível para não deixar a história muito lento e também nem muito rápido. Assim como é mostrado no trailer, Deku e All Might vão de encontro com o cientista David Shield, que se torna uma ponte para ligar o passado do All Might com a história presente dentro do filme.

©Boku no Hero, Studio Bones, All Might Young Age

Todos os pontos jogados em mesa acabam sendo fechados com muita clareza, e claro, com muita emoção. Boku no Hero nunca cansa de nos proporcionar boas lutas, dramas nos momentos certos e a determinação de honrar a palavra herói estufado em seu peito.

Análise Técnico

Se tem algo que eu não canso de martelar, é em dizer o quão bem Boku no Hero consegue encaixar as trilhas sonoras no seu devido momento. Já pudemos presenciar isso no episódio 42 “My Hero” onde Deku salva Shouta do vilão, e também no episódio 49 “One for All” na qual All Might dá tudo de si para derrotar o All for One.

© Boku no Hero episode 42 and 49

Lógico que a direção do filme não poderia ficar com nenhum outro senão com o Nagasaki Kenji, mesmo diretor do anime pelo Studio Bones. A animação do filme foi de um mediano pra positivo. Teve alguns momentos de queda na animação sim, mas a gente também não pode meter o pé e esperar que todos os 96 minutos sejam 100% bem trabalhados e dado o mesmo tanto de atenção que precisaria numa cena de ápice.

Desta forma, por parte técnica, Boku no Hero foi mais que positivo. Pode se notar que os resultados pelo investimento feito, não deixou a desejar.

Análise de personagens

Para os personagens da U.A., tivemos 10 deles em destaque (Deku, Bakugo, Todoroki, Uraraka, Yaoyorozu, Iida, Kirishima, Kaminari, Mineta e a Jirou). Incrivelmente alguns personagens de evidência na série, foram deixados para trás. Acredito que a situação não era… Digamos que conveniente para suas especialidades.

©Boku no Hero Poster

Para os dois novos personagens, o cientista David Shield e sua filha Melissa Shield, foram muito bem introduzidos na história que acaba por gerar um forte laço com os demais personagens da trama. Seus backgrounds para a a formação emocional de cada um deles foram perfeitamente apresentáveis, levando em conta que os mesmos continuaram a ser desenvolvido no decorrer do filme.

O vilão Wolfram, por sua vez, cumpriu o seu papel de vilão e nada mais. Suas ambições eram de um modo “clichê de obras da Jump“, embora eu admita que até o ponto do vilão e seu desfecho terminou bem desenvolvido.

Curiosidade

Ao entrar no cinema para assistir o Boku no Hero: Two Heroes, a recepção te presenteia com um pequeno mangá contendo informações do filme, onde são mostrados os personagens e seus visuais trabalhados para esta animação. Confira algumas imagens: (Capa do livro, Deku, Uraraka, All Might jovem, Melissa, David, Yaoyorozu, Wolfram, cena do mangá)

Expectativa VS Realidade

Eu geralmente tenho ido muito ao cinema para assistir os filmes animados. O que não quer dizer que sempre vou na maior das empolgações. Para dizer a verdade, eu quase nunca vou empolgado, e acabo indo mais pela curiosidade mesmo. Com Boku no Hero foi diferente, pois o filme veio num momento de muita crescência pelo anime, o que me gerou um “hype” muito grande pra cima do Two Heroes.

Quando passou os créditos no telão, logo me veio a mente “Eu preciso fazer um review desse filme… PRA ONTEM!”. Poderia dizer que dentre os últimos dois anos que fui ver filmes animados no cinema, o de Boku no Hero disparou entre os melhores desenvolvidos na categoria enredo.  Se eu pudesse, iria assistir de novo, sem dúvida nenhuma.

Conclusão

©Boku no Hero Academia: Two Heroes

Para um primeiro filme da obra, o resultado foi mais que positivo. Seu desenvolvimento é bom, a parte técnica estava acostumado com o trabalho dentro da obra, o que deve ter facilitado no processo. Boku no Hero Academia: Two Hero tentou envolver alguns pontos interessantes dentro da obra, como o caso do passado de All Might e de como ele veio a se tornar esse herói consagrado por todos. O que me leva a pensar “será que em alguma hipótese, Kohei Horikoshi pode pegar algumas dessas pontas e amarrar com outra dentro do seu mangá e os tornarem canônicos?”, Eu gostaria que a resposta fosse “sim”, logo eu que amei a personagem Melissa. Ela teria muito potencial e de uma certa forma, agregaria muito para os alunos da U.A.. O problema é onde encaixá-la , esse é o espaço que falta para ela entrar.

Enfim, resumindo tudo citado acima, foi ótimo start no mundo dos cinemas para Boku no Hero, o que pode ser o primeiro de muitos filmes que ainda virão.

Nota: 9.0/10

Então é isso pessoal, se vocês gostaram deste review sem spoiler, comente aqui em baixo para podermos trocar uma ideia! Dentro de algumas semanas, estaremos soltando um Review com Spoilers do filme, para aqueles que tiverem interesse!

 

Henry(Vulpixs) Yamaguchi

Fundador e CEO do Animystic. Moro no Japão desde pequeno até então, sou trabalhador diurno e editor de podcast nos períodos da noite. Amante de animes com boa história, leitura e tudo que envolva Mitologia Grega.

Posts Relacionados