Saint Seiya Saintia Sho #EP01 ⌈Análise Semanal⌋

Saint Seiya Saintia Sho #EP01 ⌈Análise Semanal⌋

Apresentação do episódio

Tatta hitotsu mezasu no wa Peaceful Word/ ai to yuuki atena no nanomotoni (Nosso único objetivo é um mundo de paz/ Com amor e coragem, sob o nome de Athena). E o cosmo reacende no coração dos fãs de SAINT SEIYA.

O tão aguardado SAINT SEIYA: SAINTIA SHO – versão shoujo de SAINT SEIYA – tem sua estréia sob a direção de  Masato Tamagawa pelo estúdio TOEI ANIMATION. Ligação direta com a obra de Masami Kurumada, além de supervisão direta, o animê é baseado no mangá de nome homônimo com autoria de Chimaki Kuori.

Os típicos elementos da obra SAINT SEIYA se mantêm inalterados: efeitos esvoaçantes de cabelo, a queima do cosmo, os olhos, porém um único fator mudou. O som que a armadura de ouro faz no corpo de Milo. A animação está dentro dos padrões e a trilha sonora sempre demonstra estar de acordo com o animê.

©Toei Animation/ Saint Seiya: Saintia Sho

Primeira metade

Com remissões da mitologia cristã, grega e até mesmo um conto de fadas dos irmãos Grimm – Branca de Neve – isso mesmo, Branca de Neve devido à imagem da velha tentando Shoko com uma maça – fruta está entregue a Branca de Neve pela Rainha transfigurada em Bruxa – que se torna dourada.

Vale ressaltar que a serpente também tentou Eva com o fruto proibido, além disso, Shoko e Kyoko estão num local denominado de Éden das Trevas: remissão ao cristianismo. A maça dourada (ou Pomo da Discórdia) é parte da mitologia grega.

©Toei Animation/ Saint Seiya: Saintia Sho

Milo surge com a intenção de eliminar aquela que seria a encarnação da deusa maligna, mas sob ordens de quem? Athena? O Mestre do Santuário? Eis a dúvida. Os Cavaleiros de Ouro parecem possuir um carma, pois sempre são enviados para eliminar o mal – e fracassam sempre – que surge diante de pessoas que nasceram sob a estrela do azar. Shoko e Kyoko estão alinhadas na mesma estrela.

©Toei Animation/ Saint Seiya: Saintia Sho

 

Ao que tudo indica a tentação tem maior peso em Shoko.

Pontos importantes são expostos na primeira parte como: A Fundação GRAAD, o Coliseum, a vontade de Mitsu Masakido em relação à Guerra Galáctica e o treinamento de 5 anos tanto dos Cavaleiros quanto das Saintias – Saintia é a posição, não o titulo.

Segunda parte

No segundo momento do animê temos uma breve explicação sobre o tão conhecido discurso: A deusa que tem lutado contra as forças do mal desde as eras mitológicas – Athena – e ao lado dela, estão os Cavaleiros de Athena, jovens corajosos que com movimentos dos seus punhos eram capazes de rasgar os céus e destruírem rochas.

©Toei Animation/ Saint Seiya: Saintia Sho

As Saintias nunca ficam na linha de frente, pois são especializadas na defesa de Athena.

É revelado que a deusa maligna responsável por tentar Shoko é Éris.

Há outra dúvida que ficou pairando no ar. Éris foi selada numa antiga batalha. Será essa a batalha de SAINT SEIYA: O Santo Guerreiro?

Os acontecimentos a meu ver foram rápidos demais, mas foram bem explicados. Desde o surgimento da serva de Éris até o ato consumado de Kyoko tomar o lugar de Shoko na encarnação e a decisão da mesma sobre se tornar uma Saintia para salvar a irmã agora possuída pelo espírito da deusa maligna deu certo.

Conclusão

Saudosismo? Nostalgia? Talvez. O que ficou claro é que a animação possui o charme que eu particularmente esperava e sinceramente concordo que em alguns momentos aparentou ter menos do que 25 minutos, mas isso é relativo. Fiel aos ideais de amizade, determinação e companheirismo, a animação – com uma boa abertura e encerramento – pode ter dado satisfação para uns e decepção para outros, palpito pelo segundo apontamento, afinal o animê original é bem rechaçado pela critica – salvo os saudosistas – porém, é apenas um palpite. Vale ressaltar que a idéia original é a mesma, mas a demografia é voltada para um público diferente. Enfim, isso é tudo por enquanto.

Nota do episódio: 4/5

Imagens Extras

©Toei Animation/ Saint Seiya: Saintia Sho

©Toei Animation/ Saint Seiya: Saintia Sho

Vinicius Raphael

Bibliófilo praticante de camping, trilha e entusiasta de Teatro e Circo. Fã de Akira Toryama, Osamu Tezuka, Masami Kurumuda, Haruki Murakami, Bob Dylan e Hayao Miyazaki. Animes que eu indico: Natsume Yuujinchou, Kino’s Journey – The Beautiful World e às animações do Studio Ghibli.

Posts Relacionados