Seishun Buta Yarou wa Bunny Girl Senpai #EP07 e #EP08 ⌈Análise Semanal⌋

Seishun Buta Yarou wa Bunny Girl Senpai #EP07 e #EP08 ⌈Análise Semanal⌋
O Teletransporte Quântico [1 & 2]

Ainda não viu a análise dos episódios anteriores? Então clique aqui para ser direcionado a página de análises de Seishun Buta Yarou wa Bunny Girl Senpai no Yume wo Minai

Apresentação dos episódios

A partir do episódio 7 entramos no terceiro arco do anime, o qual acaba focando na síndrome da personagem Futaba Rio. Aparentemente este arco só durou dois episódio e dentre todos os três, este foi o mais curto, contudo não menos explorado que os demais. E novamente a música de encerramento “Fukashigi no Karte” teve o vocal principal interpretado pela dubladora da personagem central do arco, que no caso, a própria Futaba.

O Teletransporte quântico em Bunny Girl

Já de começo nos é apresentado dois problemas que giram este arco. Um é a amiga de dois anos atrás do Sakuta, Makinohara Shouko, que por algum motivo ela acabou voltando alguns anos no passado (ou será que não?). Este ponto não acabou sendo muito bem explorado, e acredito eu, que a parte da Makinohara será explorado em algum arco posterior que pode acabar ligando com um outro emaranhamento quântico.

O segundo ponto é a síndrome da puberdade que afetou a Futaba Rio. Este sim é o foco principal do arco, o qual foca nos problemas gerados por uma incerteza da sua própria personalidade. A Futaba Rio se divide em duas partes, embora uma não consiga coexistir no mesmo espaço-tempo.

Explicando de uma maneira simples sem que confunda a cabeça de vossos leitores, assim como diz o teletransporte quântico na física quântica, ele nada mais é do que um fator no qual permite que informações sejam transportadas para algum outro lugar. Levando a ocasião da Futaba em evidência, a mesma se encontra em um impasse da bifurcação de sua própria mente. Para ela, uma parte de si mesma queria se mostrar mais extrovertida, e a outra parte de si mesma não concordava com o rumo que essas ações estavam tomando. Desta forma a sua mente se dividiu em dois, fazendo-as se materializar com propostas distintas.

O medo de encarar o seu verdadeiro “eu”

Futaba conta ao Sakuta que passou a fazer as tais fotos sensuais no Twitter por carência. Ela passou a odiar o seu próprio corpo ao ver que ele havia começado a se desenvolver mais rápido que a das outras garotas. Por conseguinte, Futaba estava entre os olhares dos garotos da sua idade e assim criou um repugnância por eles (mas não uma androfobia). Afinal ela só queria atenção e a outra parte de si mesmo não concordava com os atos. Desta forma, perante a deficiência de encarar seu verdadeiro “eu” gerou a divisão de seus sentimentos e mentes.

Como sempre o nosso protagonista Azusagawa Sakuta se mostra muito eficiente ao tentar atiçar o sentimento da Futaba em fazer o seu amigo Kunimi, por quem ela estava apaixonada, sair voando em cima de uma bike no meio da noite, para ajudar no “problema” que ela estava tendo. Neste momento, a Futaba percebe que ela nunca esteve realmente sozinha e começa a chorar ao perceber que sempre poderia contar com amigos de verdade para os momentos de dificuldade e solidão.

Sakuta, Kunimi e a 2ª Futaba passam uma noite estourando fogos de artifícios caseiro em uma praia. Este se tornou um dos dias mais especial para a garota, tanto que ela colou o momento dos 3 juntos em seu papel de parede na tela bloqueada do seu celular.

A Futaba “original” sente uma inveja e incerteza quanto a existência de seu outro eu e foge para a escola. Sakuta a encontra e conforta seus sentimentos dizendo que ela deve ir no dia prometido dos fogos de artifícios. Ao encarar a realidade, Futaba liga para o seu outro eu e diz seus verdadeiros sentimentos “EU QUERO IR VER OS FOGOS DE ARTIFÍCIOS COM OS MEUS AMIGOS!”, assim, ela desaparece na frente de nosso protagonista, fazendo as duas voltarem a se tornar uma só.

Para concluir, no dia dos fogos, Futaba declara seu amor que já estava escondendo por alguns anos e ela mesma diz que não espera um resposta, pois se o tivesse, era capaz que começasse a chorar e não iria parar tão cedo.

Conclusão

Este foi um arco mais curto que os demais, mas assim como eu havia dito no começo desta análise, não foi mal explorado e tão pouco perdeu suas qualidades em roteirizar uma solução para o problema em arcos pequenos. Bunny Girl tem mostrado cada vez mais pro que veio e está chutando a porta em muito anime de romance/drama escolar com slice of life por aí. Agora que estamos quase para entrar na reta final do anime, pois só deve estar faltando uns 2 arcos no máximo. Já foi anunciado no mês passado que teremos filmes para a adaptação dos volumes seguintes da Novel, então não se preocupem tanto assim se o anime está ganhando a audiência que merece, porque o reconhecimento está vindo, seja de uma forma ou de outra.

Nota do episódio 07: 3/5
Nota do episódio 08: 4/5

Henry(Vulpixs) Yamaguchi

Fundador e CEO do Animystic. Moro no Japão desde pequeno até então, sou trabalhador diurno e editor de podcast nos períodos da noite. Amante de animes com boa história, literatura e tudo que envolva mitologia

Posts Relacionados