Achados na Netflix – Blazing Transfer Students

Oi, eu sou o Bruno, e eis minha pergunta pra você: O que acontece se você juntar um mangá de comédia lançado em 1983 + uma Boyband Japonesa + humor nonsense + Netflix?

A resposta é: Quem faria esse tipo de pergunta?!… Ou… Blazing Transfer Students! Essa série live action é um verdadeiro achado no catálogo da Netflix. Entretanto, prepare-se para uma obra que anda numa tênue linha entre algo muito bom e completamente insano.

 

© Blazing Transfer Students – Netflix

A série é uma espécie de continuação de um mangá lançado em 1983, chamado Honō no Tenkōsei. Um dos diferenciais é que a produção tem como protagonistas o grupo Johnny’s WEST. Ainda mais, a minissérie abusa de um humor físico e completamente “nonsense”, algo possivelmente característico de animes e mangas do gênero.

© Blazing Transfer Students – Netflix

Mas afinal, o que é Blazing Transfer Students?

Em Blazing Transfer Students, sete alunos são transferidos para uma escola renomada. Contudo, ao chegarem lá, são imediatamente postos em um ringue de luta, onde são forçados a competir numa espécie de Battle Royale entre os sete. Mas esse é só o começo das loucuras com que eles vão se deparar.

Como já dito, a obra é uma continuação, de um mangá lançado pela Weekly Shonen Sunday, em sua revista Shogakukan, entre 1983 e 1985. O mangá feito por Kazuhiko Shimamoto ainda ganhou dois OVAs lançados em 1991 com produção do estúdio Gainax.

© Blazing Transfer Students – Mangá

Originalmente, no mangá, acompanhamos Takizawa Noburo, que ao ser transferido a nova escola, percebe que terá que literalmente lutar para sobreviver à nova escola. A obra publicada rendeu 12 volumes, em que o protagonista trava embates com o bully da escola, cria seu próprio golpe especial e tenta ganhar o coração de uma garota.

Nesta nova versão, alguns anos se passaram, e encontramos Takizawa como diretor da escola, mas claro, existe uma reviravolta cômica nesse aspecto. Afinal ele é o único personagem que é na verdade um “manequim”, baseado no design da sua versão em mangá.

Ao invés de apenas um aluno, temos agora sete estudantes que compartilham uma característica em comum, mesmo sendo completamente diferentes entre si. Dentro da série, cada um acaba se encaixando em um estereótipo já visto em obras mais antigas assim como nas obras de luta.

© Blazing Transfer Students – Netflix

Os protagonistas acabam por representar arquétipos conhecidos, que vão desde o delinquente juvenil, passando pelo aficionado por lutas que quer ser o melhor e ainda contando com um jovem samurai. Para fora da obra, vale ressaltar que temos um grupo musical, que por si só possui uma história curiosa.

© Blazing Transfer Students – Netflix

Jhonny’s West foi o primeiro grupo em 10 anos,  a estrear pela empresa Johnny’s Entertainment, vindo da região de Kansai. Gerando portanto o nome West, em referência a região de Kansai e Jhonny’s por serem da agencia assim nomeada.

© Jhonny’s West – Johnny’s Entertainment

Não se levar a sério, é a chave para o humor!

Me vi realmente curioso com essa série. Todavia, não posso dizer que estou completamente adaptado ao humor japonês. Sobretudo o exagero nas atuações, que é característico, e possivelmente a chave para boas piadas.

A princípio, a obra foi produzida com base em algo que fez sucesso no país de origem e que abusa de características que fazem muito sentido para o expectador local. Mas, ao mesmo tempo, diversas piadas se encaixam perfeitamente, independente de qualquer barreira cultural.

© Blazing Transfer Students – Netflix

Mesmo sendo um live action, muitos elementos de animação, como expressões exageradas e mesmo uso de poderes especiais, são bastante utilizados, fazendo lembrar de outras adaptações para live action de obras de humor como Gintama ou Mob Psycho. Como resultado, o humor da série acaba se baseando no princípio de não se preocupar em levar as situações ao ridículo e ainda exagerar isso.

© Blazing Transfer Students – Netflix

Nesse sentido, é interessante ressaltar como o uso de personagens clichês e estereótipos serve muito bem ao aspecto de paródia que a obra possui. Além de que ver esses personagens passando por momentos absurdos, gera curiosidade e claro muitas risadas. Inegavelmente a série ganha por aceitar que no humor, não se pode levar as situações muito a sério.

© Blazing Transfer Students – Netflix

Então…

Recomendo que dê uma chance a esse humor um tanto exagerado de Blazing Transfer Students. Só no primeiro episódio, a série abusa de todo tipo de humor ofertando desde cenas de escorregão em casca de banana até cenas que usam de timing cômico, onde todos logo aceitam que o diretor é um boneco, mesmo os sete tendo surtado segundos antes.

© Blazing Transfer Students – Netflix

Me fale nos comentários o que achou, se amou ou odiou ou só aceitou o diretor action-figure! Assim, se quiser mais dicas de conteúdo e discutir sobre diversos assuntos, confira mais artigos no blog do site!

© Blazing Transfer Students – Netflix

See You Later Elevator!

Posts Relacionados