Brand New Animal – o que é ser um humano no mundo de animais

Você já parou para pensar no que é ser um humano? O que torna as pessoas como “humanas” em um mundo tão caótico? Não seria apenas mais uma classificação para os animais evoluídos? — Meu nome é Lolla e nesta resenha vamos tratar sobre este tema, levando em consideração as questões levantadas no anime que acabou de estrear, intitulado “BNA: Brand New Animal”. Fique com a frase dita pela protagonista, enquanto levamos este assunto para reflexão: “Mesmo você sendo um animal, não tem um coração humano?”

Sobre o anime

© Studio Trigger, anime BNA: Brand New Animal.

BNA: Brand New Animal é um anime que acabou de estrear e tem como sinopse o seguinte: “No século 21, foi descoberta a existência de animais humanoides. Michiru havia vivido toda sua vida como uma simples humana, até que em um dia, ela acabou se tornando uma mulher-tanuki. Assim sendo, ela começou a viver isolada, até conseguir fugir para uma cidade especial, cujo nome é ‘Anima City’ (que havia sido construída por homens-animais, para que assim eles pudessem viver por si próprios). Mas ao chegar nessa cidade, Michiru se vê diante de um dilema e de uma brutal realidade.”

Apresentando o tema: o que é ser “humano”? 

Eis uma das muitas definições segundo a ciência: “Ser humano (Homo sapiens) é o termo utilizado para caracterizar a espécie viva evolutiva que se difere das demais por possuir inteligência e razão.” E é aqui que eu eu gostaria de propor a reflexão do tema da pauta, visto que já foi apresentado a sinopse do anime (lembrando que contém alguns spoilers, mas seria inevitável não ter, uma vez que será preciso explorar a singularidade de Michiru). A pergunta central é que apenas ter inteligência nos torna humanos?

Vamos ter como base a abordagem do anime, em que conseguimos ver claramente que os animais humanoides também são assim, logo eles conseguem pensar. Mas isso os torna seres humanos? Não seria esse termo algo mais subjetivo e que deveria ser dito com certa cautela?

Para Leonardo Boff (escritor, filósofo e professor universitário brasileiro), o que faz alguém ser humano, é a capacidade de demonstrar compaixão. Ainda segundo ele: “Essa emoção tem algo de singular: ela não exige nenhuma reflexão prévia, nem argumento que a fundamente.

© Studio Trigger, anime BNA: Brand New Animal.

Indo além de um conceito

Logo nós podemos partir do pressuposto de que o ser humano não tem apenas a racionalidade, como também ele é um ser que precisa sentir emoções e saber como demonstrá-las. Agora vamos nos lembrar do anime, que fala justamente de uma humana, que subitamente se vê transformada em uma fera e tem seu mundo completamente arruinado. E por que todo aquele conceito de “humanidade” que ela acreditava deixou de existir, no momento em que ela virou uma tanuki. 

Michiru fica cara a cara com o que há de mais podre entre as pessoas: o racismo e a violência. Encurralada e sem ter para onde ir, ela foge em busca da utopia dos animais, a famosa Anima City. Porém, ao chegar lá, a tanuki descobre que até as feras podem ser cruéis e que as pessoas podem contaminar tudo, por onde passam.

© Studio Trigger, anime BNA: Brand New Animal.

 

O anime retrata muito bem temas que são pesados. Sendo assim, em uma desventura, a garota e pequenos filhotes de feras acabam quase sendo vendidos, como tráfico. E então, ao resolverem a situação, a pequena tanuki indaga Mesmo você sendo um animal, não tem um coração humano?

E dessa forma, é levantada a pergunta que fica cada vez mais veemente durante a série: “O que é ser humano?” Eu gostaria de lembrar que antes a Michiru era apenas uma estudante comum, logo devemos refletir em que tipo de pensamento ela baseia seu conceito de ‘humanidade’? Ao se ver no lado cruel do mundo e de tudo o que há de perverso, conseguimos perceber uma evolução na protagonista, em que ter um “coração humano” é acima de tudo demonstrar compaixão e ter empatia pelo próximo. 

Conclusão

Portanto, ser humano num mundo de animais vai muito além do que apenas seguir um rótulo, é sobre como agimos, sentimos e reagimos perante as coisas e ao próximo. E essa questão é muito bem trabalhada durante o anime, nos fazendo ficar no lugar do personagem e vivenciar o que ele passa. Agir como humanos inclui ter empatia (uma palavra que infelizmente parece ter entrado em extinção no mundo de hoje), sermos capazes de sentir a dor alheia e nos permitir enxergar o mundo além do que somos. 

Podemos concluir que no fim não somos todos animais que lutamos para ser humanos?

O que acharam do texto? Por favor, deixem seus comentários aqui. É muito importante saber da sua experiência com a matéria! Conto contigo!

Leia outros textos do nosso BLOG!

Posts Relacionados