Saint Seiya: Saintia Sho #EP04 ⌈Análise Semanal⌋

Saint Seiya: Saintia Sho #EP04 Análise Semanal

Ainda não viu a análise dos episódios anteriores? Então clique aqui para ser direcionado à página de análises de Santia Sho

Apresentação do episódio

Feliz ano novo leitores! Oito dias atrasado, mas ainda válido.

Não teve episódio semana passada por motivos óbvios; festas, virada de ano, gente pedindo bom princípio e por ai vai.

O episódio dessa semana trouxe uma pequena retrospectiva em forma de flashbacks, além de respostas para as perguntas levantadas nas análises anteriores. Confiram.

Primeira metade

Shoko e a Armadura ressoando ao cosmo de Kyoko. Eu estou tentando lembrar em qual Cavaleiros do Zodíaco as Armaduras demonstram o mesmo fenômeno. Se alguém souber, me avise.

©Toei Animation/ Saint Seiya: Saintia Sho

Ate, a Dríade da Ruína destruindo Phonos. Essa cena me deu uma suposição: Emony fazia remissão a uma borboleta, Phonos a uma aranha e Ate a uma árvore. Possivelmente são seres encontrados no Jardim do Éden. Outras possíveis remissões seriam a própria alma da Deusa Éris – a serpente – e Phonos, a aranha. Lembram de Aracne? Athena não possui uma boa relação com as pessoas.

©Toei Animation/ Saint Seiya: Saintia Sho

O Milo surge todo imponente e… tem um clichê e uma referência aqui: Rigel de Órion. Órion! Incrível como a Deusa Éris e o Cavaleiro de Órion sempre estão juntos. SAINT SEIYA: O Santo Guerreiro. O clichê é sobre sempre ter um Cavaleiro de Prata que bate de frente com os Cavaleiros de Ouro em quesito força ou poder. Orfeu?

©Toei Animation/ Saint Seiya: Saintia Sho

Nesse final da primeira metade tivemos a técnica Restrição usada por Milo. Hyoga jamais vai esquecer este golpe, não só ele como companhia limitada.

Segunda metade

Finalmente a Deusa Éris desperta, porém de um jeito tão simples, que chega a ser tedioso. Até o Deus Saturno em SAINT SEIYA Omega desperta com estilo.

©Toei Animation/ Saint Seiya: Saintia Sho

Temos um Milo decidido a matar, Rigel e Shoko a proteger e Kyoko a se tornar mártir.

O ponto alto desse segundo episódio foi apenas um: a resolução.

Conclusão

O episódio fluiu bem, mas sem emoção alguma, em certos pontos como a reencarnação da Deusa Éris, eu não senti aquele calafrio, aquela emoção de quando os Deuses em outros animes da franquia esbanjavam, muito pelo contrario, não senti coisa alguma.

Os momentos clichês já eram de se esperar, afinal estamos falando de Cavaleiros do Zodíaco: um dos campeões no quesito clichê. Faltou algo nas batalhas, mesmo que o anime não tenha o típico combate corpo-a-corpo, já que a série sempre foi uma troca de poderes.

Minha deixa é que o desfecho não era algo que eu esperava – não acompanho o mangá – em apenas quatro episódios. A única surpresa para mim foi esta resolução rápida e sem impacto algum. Talvez tenha impactado a Shoko, mas não a mim.

Minha nota decai.

Nota do episódio: 2/5

Imagens extras

©Toei Animation/ Saint Seiya: Saintia Sho

©Toei Animation/ Saint Seiya: Saintia Sho

©Toei Animation/ Saint Seiya: Saintia Sho

©Toei Animation/ Saint Seiya: Saintia Sho

Vinicius Raphael

Bibliófilo praticante de camping, trilha e entusiasta de Teatro e Circo. Fã de Akira Toryama, Osamu Tezuka, Masami Kurumuda, Haruki Murakami, Bob Dylan e Hayao Miyazaki. Animes que eu indico: Natsume Yuujinchou, Kino’s Journey – The Beautiful World e às animações do Studio Ghibli.

Posts Relacionados