Brasil sempre mal no League of Legends internacional!

Olá, aqui é o Jony. Com o Worlds 2020 chegando ao fim, temos que ser conversar novamente porque o Brasil vai sempre mal nos torneios internacionais de League of Legends... Será que o discurso de “adquirimos experiência” ainda pode ser usado?

Brasil tão mal em torneios internacionais

©torcedores.com

O Mal Desempenho do Brasil no Mundial de League of Legends.

Desde 2013 o campeão brasileiro pode disputar competições internacionais, porém com pouquíssima relevância. E olha que não foi por falta de oportunidades.

Primeiro foram os International Wildcard. Depois vaga na fase de grupos e de 2017 para cá, vaga nas fase de entrada do MSI e Worlds. De relevante para o cenário, apenas a campanha de 2 vitórias e 4 derrotas da paiN em 2015 na fase de grupos do mundial. Apesar do Brasil ter ganho as duas edições do Rift Rivals, o desempenho foi horroroso.

Brasil novamente mal no League of Legends

©cabanadoleitor.com.br

Experiência, experiência e mais experiência… (E o Brasil sempre mal no League of Legends…)

Os dois títulos do Rift Rivals, pouco comemorados, são prova que o desempenho brasileiro em campeonatos internacionais é bem fraco. E os times não se cansam de usar a desculpa de que “pelo menos fica a experiência”. Mas será que fica mesmo essa experiência? Apesar da INTZ, paiN e Kabum terem mais de 1 título do CBLoL, nunca um time que voltou do Worlds conquistou o split seguinte do campeonato nacional.

Outros fatores mostram que essa “experiência adquirida” não faz o Brasil passar para o próximo “level”. Por exemplo, no ano de 2018 a Team oNe e a paiN, participantes do Wolrds, foram rebaixadas no CBLoL.

 

Mas por que o Brasil está sempre mal no League of Legends internacional?

team one também foi mal no League of Legends mundial

©www.isoftmix.com

Insistência em medalhões.

Se você assistiu o CBLoL 2015 e voltou a assistir só em 2020 deve ter se assustado ao ver que Yang, micaO, Revolta, BrTT e Minerva ainda estavam jogando. Não que os times não devem ter jogadores mais experientes. Mas quando se prefere contratar um medalhão a lançar um jogador mais novato, alguma coisa está muito errada. Quando olhamos para o cenário Norte Americano, pior região major do Worlds, essa insistência em jogadores mais antigos se prova ruim. Conhecida por contratar jogadores mais velhos e revelar menos players, o NA acumula também decepções recentes e constantes. O Brasil tem sim promessas em ascensão. Mas entre montar um time de novatos ou contratar os mesmo nomes ou coreanos, geralmente os times preferem ficar com as segunda e terceira opções.

brtt e kami lol

©terra.com

Posição geográfica.

Um país grande como o nosso merecia mesmo o servidor próprio de League of Legends. Diminui o ping mesmo com nossa internet ruim e permite que todos possamos jogar em condições próximas. Mas limita os times profissionais. Treinos? Só com os times que estão aqui mesmo. O LLA (Lol Esports Latinoamerica) se mudou para o México. Mas mesmo antes, quando tinha foco no Chile, os brasileiros não conseguiam treinar com os times de lá. E o que isso muda? Apesar de fraco internacionalmente, o NA é a mais forte região das Américas. E o LLA treina lá. A PCS treina com os times da China. A LCL consegue treinar nos servidores europeus. E isso reflete nas participações deles em mundiais. Esse ano a PSG Talon ficou a frente da europeia Rogue no grupo B do Worlds.

E claro, se no Brasil os times rotacionam sempre os mesmo jogadores, os treinos também não tem variação de ideias de jogo.

torneio de league of legends

©theclutch.com.br

Indisciplina.

O caçador Ranger contou a Riot que o time cancelou uma scrim (treino) porque o topo Zantins foi comprar uma moto quando atuava ainda na Kabum. Uma dentre várias histórias engraçadas do CBLoL. Mas reflete um cenário comum. Além dos mesmo times e mesmos jogadores, é muito comum reclamação dos players quanto a blocos de treino cancelados. Já não tem muita opção de com quem treinar, quando tem se desperdiça?

O mesmo Ranger, agora atuando pelo Flamengo E-sports teve um 2020 para se esquecer. Foi punido mais de uma vez pela Riot por abandonar o game antes do Nexus ser destruído. Além de multas aplicadas ao time, por mais de uma vez o Rubro Negro teve que jogar com 2 bans a menos, o que destrói qualquer estratégia.

O Santos também foi punido com perdas de bans e multas aplicadas pelo mesmo motivo.

Nossa, mas a Riot Games então é uma carrasca certo? Errado. Pelo código de competição que os times aceitaram no começo do split, a punição acontece após uma primeira notificação. Sim, isso mesmo. Primeiro o time é notificado de uma infração cometida. Depois o time é punido pela primeira vez com multa, em caso de reincidência. Por fim, em caso de tripla infração, aí sim o time começa a perder bans. Sim, a conta é essa. Mesmo avisados, os jogadores kitaram antes da hora no mínimo em 3 jogos.

Djoko, técnico do Flamengo à época, chegou a retirar a tecla F4 do teclado dos seus players. Bizarro.

Será que o Faker faz isso também na LCK? Duvido muito.

jogadores indisciplinados vão mal no League of Legends

©maisesports.com.br

SoloQ fraca.

Que o cenário brasileiro é um dos mais tóxicos do mundo não há duvidas. Que a nossa soloq é uma piada perto de outras regiões, também não há argumentos. Mas porque será que é assim? Em todos os lugares do mundo tem monochampions certo? Claro. Smurfs também né?

Não, não tem. As maiores regiões mundiais, China e Coreia, não tem jogadores com mais de uma conta. As contas usam o CPF e só é permitida um login por documento. Mas será que isso interfere na qeue? Vejamos bem.

Nos elos mais baixos sim. Por exemplo, se o BrTT ou o Kami estão subindo no gold, eles não encontrarão dificuldade alguma. No entanto, no high-elo isso não deve ser desculpa. Os players lá jogam o dia todo uns contra os outros. Sempre os mesmos. Certamente conhecem picks, bans de cada um, conhecem até a hora q cada um joga.

Mas então porque a fila do Desafiante é tão ruim? Porque os próprios pró-players não jogam soloQ. Vários jogadores fazem seus blocos de treino, assistem vods e depois vão descansar (com todo direito). Acima de tudo, os que jogam as rankeds, não ligam de perder PDL e muito menos usam a fila para evoluir. Então jogam de qualquer jeito, ou não se esforçam o suficiente, ou apenas trollam “só pra se divertir”.

Complicado para uma região que busca uma vaga direta no mundial.

jogadores de lol

©maisesports.com.br

Soluções

Então devemos desistir porque o Brasil jamais será relevante lá fora certo? Não, erradíssimo. A própria Riot Games já começou a mudança. O sistema de franquias será implantado no país em 2021 . As 10 equipes já foram selecionadas e serão cobradas em investimentos, em desenvolvimento e revelação de players e também  em resultados. Ainda são os primeiros passos, mas necessários para que o Brasil não vá tão mal em torneios internacionais.

times cblol

©techtudo.com.br

E você? Concorda que esses são nossos problemas? Tem ideias de outras soluções? Deixa ai nos comentários para a gente conversar.

 

Posts Relacionados