Como é “Passarela dos Sonhos”? – Primeiras Impressões sobre o novo drama da Netflix

Oi, pessoal, eu sou a Bogo e vim contar as primeiras impressões que eu tive sobre drama Passarela dos Sonhos. (Opinião até o episódio 5 e sem spoilers!) Então, se você está se perguntando se deve ou não tentar assistir a essa obra disponível na Netflix, vem cá ler!

© Passarela dos Sonhos / Record of Youth

 

Que atuações satisfatórias num drama. Com episódios lançados a cada semana, na segunda e na terça, a Netflix traz uma trama batida no liquidificador e envolvente que conta com o protagonismo de Park Bo Gum (Reply 1988, Bridal Mask e Moonlight Drawn by Clouds) e de Park So Dam (Parasite, The Silenced e Cinderella and the Four Knights).

Isso mesmo, a Park So Dam que ficou bem conhecida pelo seu papel em Parasita agora tira de letra como a Ahn Jeong Ha, uma personagem que traz um ar refrescante à história, ao mesmo tempo que mostra sua fibra.

Obs: Tentam trazer um pouco de mistério sobre ela, mas não explicarem só faz enfraquecer a visão sobre a personagem, então é um ponto ignorável. Por favor, aprofundem mais sobre a Jeong Ha!

© Passarela dos Sonhos / Record of Youth

Enfim, assim como muitos que assistiram o filme, tive uma certa curiosidade em conhecer o trabalho da So Dam e me espantei ao perceber que já havia assistido produções com ela. O filme The Silenced, por exemplo. Quanto aos doramas, não havia conseguido ainda assistir um estrelado por ela, então Passarela dos Sonhos foi a oportunidade perfeita.

É sobre o quê?

Nos primeiros episódios, nós somos envolvidos por um enredo que promete mostrar a trajetória de dois jovens tentando seguir seus sonhos. Logo em seguida, percebemos que tem mais algo ali, o bendito romance. Não vou dizer que é ruim, mas para mim é o ponto que quebrou um pouco a minha expectativa. Sendo assim, sinalizo que a história parece construída para que os dois pombinhos ficassem juntos.

Outro ponto é que, apesar do título em português ser Passarela dos Sonhos, a história conta mais do que a trajetória nesse ramo da moda. Arrisco dizer até que o foco nem é tão esse, como parece, e também não tanto sobre as memórias da juventude como o nome original Record of Youth sugere.

© Personagem de Park So Dam em Passarela dos Sonhos / Record of Youth

Está mais para um mix entre o mundo dos jovens adultos e a conexão com os outros mundos. Tem muita coisa acontecendo ao redor e uma bem leve no centro. Dessa forma, tomo de volta a expressão do liquidificador, pois misturam fatores como a formação de fã, que é um fato visto como bem comum entre jovens, com a busca pelo trabalho certo e com a consideração da família. 

Os diálogos são bem na lata e a naturalidade como os personagens falam dá aquela sensação de quebra de tabu. E isso é um ponto bem alto para ter chamado a minha atenção e para recomendar a vocês, também. Considero isso uma ótima forma de nos aproximar aos personagens do dorama, ao mesmo tempo que nos distanciamos por conta do cenário que tem uma forte presença do glamour dos famosos.

Record of Youth é só sobre esses dois?

O destaque é nos dois protagonistas, obviamente, mas trazem também algumas participações picadas e personagens que interagem com eles. Em especial a família do Sa Hye Joon, interpretado pelo Park Bo Gum. Sem contar que vários pôsteres promocionais trazem o amigo do Sa Hye Joon bastante, o que deve ser um indicativo de que ele terá mais presença nos próximos episódios.

A propósito, vi alguns comentários sobre “retratar a família do protagonista é tirar o foco do drama”. Bem, eu discordo, pois estou gostando bastante de entender o plano de fundo em que o rapaz foi inserido. Isso pode enriquecer a história se for bem explorada lá na frente ou pode só mostrar outro lado do personagem. Gente, antes de mais nada, um dorama tem drama e a família ali está dando uma bela dose disso.

© O avô junto com o neto modelo de Passarela dos Sonhos / Record of Youth

Sobre as críticas

Depois de ler várias resenhas sobre doramas da Ha Myung Hee, a roteirista de Passarela dos Sonhos, notei que um ponto se mantém aos críticos de suas obras: tudo começa bem e vai declinando à medida que a trama avança. Apesar disso, torço bastante para que mantenham o nível da história. E ainda acrescento que eu, particularmente, gostei dos dois doramas que assisti dela: High Society e Can We Get Married. Então estou apostando que ela conseguirá segurar Record of Youth.

Resumindo: o que achei dos primeiros episódios de Passarela dos Sonhos?

© Park So Dam e Park Bo Gum, protagonistas em Passarela dos Sonhos / Record of Youth

Minhas primeiras impressões sobre esse drama é que ele foi escrito com uma delicadeza sem igual. Feito para nos abraçar enquanto se mostra uma série slice of life com coesão de sentimentos e histórias, ainda que tenha os aspectos “doramáticos” como a fã que conhece o bias ou as várias pessoas que se apaixonam pela protagonista e várias falas de efeito. Ele tem um “quê” de intensidade juvenil, o que explica a forma como os protagonistas se portam algumas vezes e como o romance é elaborado. 

© Momento de frase de efeito em Passarela dos Sonhos / Record of Youth

Apesar do clichê disfarçado no fundo, esse drama está se mostrando um amor. Se você gosta de um romance com uma química incrível para passar o tempo e, vale a pena continuar assistindo enquanto toma um café. Agora, se está interessado em saber se os sonhos dos dois vão se realizar, é melhor desacelerar um pouco e aproveitar o momento. A medida que a amizade e o romance tomam conta da história, o crescimento profissional sai um pouco de foco. 

E essa foi a minha opinião sobre o novo dorama da Netflix. Se tiver algum comentário sobre esse drama ou sobre a atuação desses atores maravilhosos manda aqui! Será que vão conseguir fechar bem a história?

Se curte doramas e live-actions, não deixa de dar uma passadinha aqui para mais resenhas!

Follow Me:

Posts Relacionados