O lado sério de One Piece — o preconceito e a discriminação

Geralmente assistimos nossos queridos animes como entretenimento, porém é comum serem tratados assuntos sérios ou até mesmo polêmicos. Portanto, vamos falar sobre o lado sério de One Piece. Graças ao traço escolhido pelo Oda, a obra é rica em variedades de raças. Humanos, gigantes, anões, humanos com braços longos, ou pernas longas e etc. Eu sou o Stefan e hoje iremos nos concentrar no preconceito entre essas raças.

doação de Sangue quebrando a lei e o preconceito que havia na ilha dos homens-peixe.

Oda nunca representou especificamente a história de acordo como no nosso mundo em one piece, por isso não vemos os preconceitos comuns para nós. Portanto, aproveitando sua liberdade, ele criou um universo onde diversos tipos de preconceito são mostrados.

O preconceito em One Piece

Baseado em nossa realidade, em One Piece temos povos sendo escravizados, minorias sem liberdade, hierarquia social. Por exemplo, temos os Tritões ou homens-peixe, que são discriminados por serem diferentes. Da mesma forma que os negros foram tratados, como seres inferiores apenas por questões biológicas, ou até mesmo por simples ódio. Esse mesmo ódio gerou mais ódio, que de fato foi bastante nutrido por Arlong, causando muito mal às pessoas simples. Por exemplo, Nami que sofreu em suas mãos como humana, foi escravizada. Sendo assim, obrigada a desenhar mapas até sua mão sangrar. Temos o Hody Jones que nutria um ódio imenso até mesmo pelos tritões que simpatizavam com os humanos.

piratas arlong

Escravização é algo decorrente em One Piece, o tempo todo temos casos como o dos Tontattas que eram escravizados no passado pela família Donquixote. Temos o terrível leilão de escravos, onde nós é mostrado a escoria da humanidade. Lugar onde os nobres podem comprar escravos, sendo eles de qualquer raça. Em conclusão, as pessoas são tratas como objetos.

Tontattas de Dressrosa

Um outro bom exemplo acontece durante o time skip na ilha de Nakamura onde Brook foi jogado. Temos o caso dos Humanos de Braços longos que sequestravam humanos normais, para ser um tipo de atração, devido ser incomum para eles aqueles tipos de ser. Em conclusão, além do fato de serem sequestrados, eram maltratados mal ganhavam alimentos sendo basicamente escravizados.

Tribo dos braços Longos

E temos os ridículos Tenryuubitos seres que se auto em titulam deuses. Humanos que abusam do poder e de suas riquezas pra fazerem o que quiserem. Portanto, escravizam qualquer um que lhes forem útil de alguma forma. Tendo escravos até mesmo para servir de cavalinho como meio condutor. Apresentados como seres capazes disparar um tiro em alguém simplesmente por passar na sua frente. Saint Charloss ao achar uma mulher bonita decide que ela vai se tornar sua uma de suas esposas, chegando a matar o noivo da mulher.

O lado sério de One Piece - Saint Charloss Tenryuubitos ridículo

Quebrando Preconceitos

A maior arma do Oda para quebrar esses preconceitos é o Luffy que desde o começo nunca se importou. Seja com aparência tendo um ciborgue e até um esqueleto vivo em seu bando. Seja nacionalidade, cultura, sexo ou religião, tal qual orientação sexual ou raça. Mostrando assim o lado sério de one piece.

O lado sério de One Piece - bando dos chapéus de palha

Além disso, seus companheiros compartilham da mesma personalidade. Por exemplo, Nami mesmo tendo sofrido bastante pelo ódio dos tritões em relação aos humanos, não guarda ressentimento e até mesmo perdoa subordinados daquele que tanto lhe causou dor.

Nami chorando de raiva do arlong

Um bom exemplo dessa falta de discriminação por parte do Luffy é o Chopper, a rena que sofria preconceito desde que nasceu. Discriminado por sua família de renas apenas por ter o nariz azul, apanhava e chegou a ser expulso de seu meio. Após comer a hito hito no mi, Chopper ganha a habilidade de falar e se transformar em uma forma humanoide. A partir disso foi visto como monstro pelos humanos, chegando a ser baleado.

Chopper assustado

Ainda temos o Usopp que é fascinado pelos Gigantes, tendo o maior respeito para com eles a ponto de querer ser como eles. Em Little Garden ele presencia a honra dos gigantes Dorry e Broggy, que estão lutando há 100 anos. Admirado nessa coragem ele decide que ele precisa ser tão guerreiro tão incrível como eles. Mostrando mais uma vez mostrando o quão ridícula é a discriminação.

Qual é o personagem mais imperfeito dos animes? - Quora

Ponto de Chegada

Concluindo, mais uma vez lições nós são passadas, sempre mostrando a importância de respeitar o próximo. Assim como ignorar todos os esteriótipos,  aprendendo a tratar pessoas diferentes sem preconceito. Portanto é nós mostrado que ódio só causa mais ódio prejudicando a sociedade.

Me despeço pedindo para que comentem outros casos de quebra de preconceito para continuarmos debatendo esse assunto tão importante.

Deem uma olha em temas parecidos com assuntos bem pertinente sobre preconceito e discriminação: blog incrível Pai, o paralelo do amor. e o episódio 48 do AnimistyCast – Bestars, Lutando contra o bullying e os preconceitos.

Acompanhe também os podcasts de One Piece do Animystic
Follow Me:

Posts Relacionados