Quais as inspirações por trás da última temporada de Shingeki no Kyojin?

SNK Final Season Promotional Art

© Attack on Titan, Wit Studio

Olá a todos! Meu nome é Bruno, mais conhecido como D.A. (Doctor Anime) e hoje vamos desmembrar quais são as inspirações por trás de Shingeki no Kyojin The Final Season . De antemão, já aviso que esse texto será carregado de spoilers, portanto se ainda não está acompanhando a final season de SNK(Shigenki no Kyojin), recomendo que veja-a antes de ler o texto !

Attack on Titan e Eldia

A obra Shigenki no Kyojin – SNK (Attack on Titan) é uma série de manga escrita e ilustrada por Hajime Isayama, encontrando-se, atualmente, sobre o selo da editora Kodansha. A animação começou a ser transmitida a partir de 2013, através do estúdio Wit Studio e Production IG, contando como diretor Tetsuro Araki

No mundo de SNK, conforme vamos avançando nos capítulos, percebemos que o mundo é mais do que só as muralhas que protegem a humanidade. O mundo conhecido por Eren Yeager e seus amigos é na verdade apenas uma grande ilha, conhecida pelo mundo exterior como Ilha Paradis. Enquanto isso, vive no lado externo da ilha, para além do oceano, diversos reinos e civilizações.

É sobre esse pivô que a última temporada de SNK trabalha. Não só isso, ela foca principalmente na ideia de revolta dos Eldianos e sua libertação, já que o povo de Eldia fora da ilha Paradis é alvo constante de preconceito e abusos por conta do antigo Império Eldia.

Mas o que foi o Império Eldia ?

O Império Eldia é retratado na obra como um poderoso Império que praticamente dominou os continentes com o uso do poder dos Titãs. Sua fundadora, referida como Ymir, recebeu através de um pacto o poder de se transformar e gerar os Titãs, fora isso, também é afirmado na obra que seus poderes iam além e conseguia até, por exemplo, plantar em terra infértil. 

inspirações por trás de SNK The Final Season

© Attack on Titan, Wit Studio

Esse Império, após a grandiosa era de Ymir, foi continuado por seus 9 filhos, até chegar no reinado de Karl Fritz, o rei que, vendo a opressão que Eldia tinha causado a outros povos, decidiu levar todos Eldianos em uma ilha chamada Paradis, cercado por muralhas (essas cheias de segredos). Ali, o povo de Eldia viveria em paz, sem causar dano aos outros. 

Com o poder do Titã Fundador, as memórias dos habitantes de Paradis acaba sendo alterada, fazendo com que acreditassem que ali era o mundo, que não existia algo além do oceano, e que o povo deles, na verdade, lutava contra os titãs para sobreviver.

Quais são as inspirações de Eldia ?

O Império Eldia, por mais “misterioso” que possa ser, na verdade é carregado de inspirações. Começaremos, por exemplo, analisando a fundadora Ymir. 

Ymir é retratada, dentro da mitologia de SNK praticamente como uma deusa, seus poderes, advindos do pacto, vão desde os titãs até a plantação em qualquer solo. Desse modo, há uma semelhança muito forte entre Ymir e a primeira criatura viva na mitologia nórdica, chamada também pelo mesmo nome.

Ymir sendo referenciada como uma deusa

© Attack on Titan, Wit Studio

 Inclusive, vale a pena levantar o ponto de que a presença dos gigantes é um elemento bem forte da mitologia nórdica que o mangaka resgata. Retratados como “os inimigos dos deuses”, eles atuam como antagonistas durante todo o enredo da obra e principal ameaça à humanidade. Ymir também é referida na mitologia como a origem de Midgard, o reino onde os homens vivem, construído a partir do corpo desse titã.

Além disso, o local onde os “caminhos se encontram” no próprio manga é uma referência direta à Yggdrasil, tratada na mitologia nórdica como o eixo do mundo, de forma que todos os mundos estão conectados. Muitos dos nomes escolhidos para os personagens também possuem referências germânicas, cultura a qual também “bebeu” da cultura nórdica, Yeager, Armin, Reiner, entre outros.

Porém, a referência mais forte em relação ao Império em si é a analogia que o autor faz com o Império Romano. O Império Romano foi um dos maiores governos da antiguidade que expandiu-se tanto militarmente quanto em território, tornando-se praticamente invencível no Oriente Médio e Europa. Eldia, na mesma linha, graças ao poder dos titãs, tornou-se imbatível em sua expansão praticamente tomando todo o mundo.

Onde os caminhos se conectam - Coordenada

© Attack on Titan, Kodansha

Todavia, a expansão tem um preço muito caro e assim como com os Romanos, a expansão de Eldia foi a ruína para o seu povo. Sem ter como sustentar aquela expansão desenfreada, as lutas internas começam e logo desmantelam-se em um reino enfraquecido, pronto para ser rompido.

 

Quais são as outras referências?

 

Apesar dessa forte inclinação à cultura nórdica. Engana-se quem pensa que Isayama prende-se apenas a ela. SNK possui fortes referências a outras culturas e mitologias.

A cena de Ymir recebendo um “fruto do demônio” provoca uma leitura pela ótica romana, de que o “diabo” teria dado a ela um poder através de um pacto e isso se propagou pelas gerações, e seus descendentes, por sua vez, seriam tão amaldiçoados quanto ela.

Essa visão é o que justifica em partes a questão do ódio propagado contra os Eldianos mesmo após gerações. E inclusive a técnica usada para ilustrar as cenas é próxima aos vitrais góticos, usados muito na idade média pela Igreja Católica para ensinar a população não letrada.

"Vitral" sobre Ymir e os Titãs

© Attack on Titan, Wit Studio

A ilha Paradis, por sua vez, relembra a cultura hebraica, pensando que ela é a “Terra Prometida” para os Eldianos, um paraíso no mundo, conforme dito por Karl Fritz durante os capítulos do manga. Assim como a migração do povo de Eldia para lá é assemelhada à Diáspora, em que alguns já estão ali, mas outros Eldianos ainda encontram-se em sofrimento longe dela e sofrendo por sua descendência e o “pecado dos antepassados”.

Attack on Titan é uma obra com um enredo muito rico em referências e uma profundidade muito grande nesse sentido. Criando um universo que bebeu de várias fontes, mas com uma identidade própria, Hajime consegue criar enredo para uma última temporada com um caráter muito mais maduro do que as outras. Fica como uma recomendação pessoal minha de anime para se acompanhar ao longo do começo de 2021.

 

Obrigado pelo espaço e tempo de leitura!

 

Já é 2021, porém ainda estamos pensando em 2020 não? Falando nisso, o que achou do lançamento de Cyberpunk 2077? Gosta do tema? Então não deixe de ler sobre O mundo cyberpunk no universo dos animes!

 

Links para saber mais:

Bruno Rezende

Estudante, 23 anos, curioso e leitor assíduo. Apaixonado por animes, e sempre afim de aprender.
Follow Me:

Posts Relacionados