SOLANIN – Você é feliz e tem trabalhado com o que ama?

Olá, aqui quem vos escreve é a Bruna Tavares, mais conhecida como Brubs Nana. O texto de hoje, é uma indicação e também uma análise sobre um dos melhores e mais emocionantes mangás que já li nesses 22 anos de vida, chamado “Solanin”, cujo autor e ilustrador é Inio Asano, conhecido por seus enredos cheios de realismo, com personagens extremamente bem desenvolvidos.  

Trata-se de uma história palpável, que retrata a realidade como ela é, moldada pelos embaraços da vida. A maioria das problemáticas expostas, bem como os demais entraves, nos conduzem a diversos pensamentos sobre o que nos envolve diariamente. A obra te leva a uma autorreflexão do que de fato é viver e ser feliz, além de apontar as inúmeras dúvidas que permeiam em nós.  

Recomendo a leitura desse texto, tanto pra quem não conhece, como para quem deseja relembrar alguns pontos marcantes da história. Vem comigo !

 

© Inio Asano 

 

INFORMAÇÕES TÉCNICAS  

O mangá Solanin, escrito pelo renomado mangaká Inio Asano, foi lançado no Japão em 30 de junho de 2005 a 6 de abril de 2006, pela revista Weekly Young Sunday da editora Shogakukan. Possui apenas 2 volumes, totalizando 28 capítulos, sendo do gênero de slice of life, é voltado para o público seinen. Teve ainda, um epílogo lançado 11 anos e 6 meses depois do término, em 30 de outubro de 2017, mostrando o futuro dos principais personagens.  

Em 27 de março de 2010 foi lançado um One-shot chamado Haru yo Koi, que consiste em uma história paralela, onde um casal aluga o mesmo apartamento dos protagonistas de Solanin. Uma curiosidade interessante, é que o próprio Asano na época em que começou a escrever Solanin, era apenas um ano mais velho que a protagonista Meiko Inoue, que tinha 23 anos. Inclusive, o autor faz tudo de maneira muito bem pensada, pois no lançamento do epílogo em outubro de 2017, consta que Meiko tem 36 anos, o que condiz com a contagem de idade dela em relação ao último capítulo da obra lançado em 2006.  

© Inio Asano / Meiko no epílogo lançado em 2017 

 

No Brasil, o mangá foi lançado em 2011 pela editora L&PM, conhecida por seus livros em formato de bolso. Em decorrência do sucesso houve a reimpressão em 2016, porém no momento encontra-se totalmente esgotado. Você pode conferir o site da editora (Aqui

 

© Editora L&PM / Capa brasileira dos volumes 1 e 2

 

TRAÇO DO MANGÁ  

Asano possui um desenho simples e bem feito, ricos em expressões reais, que exprimem reações e sentimentos singulares, não havendo necessidade de que algo fique fantasioso ou bonito. Digo que ele traz realidade aos seus mangás, pois consegue passar de fato como é uma cena de choro, sem que pareça algo “bonitinho”, como é retratado em muitas obras. Não só isso, mas há inúmeros outros trechos de realismo em seus desenhos. Vemos por exemplo em Solanin a cena abaixo entre Jirou (Billy) e Meiko.  

© Inio Asano

 

ENREDO

A princípio é apresentado aos leitores, Inoue Meiko e Taneda Naruo, que namoram a 6 anos e estão morando juntos a 1 ano em Tokyo. Os dois vivem em um relacionamento normal, como qualquer outro casal no começo da vida adulta, contudo o maior questionamento interno da Meiko logo na primeira parte, trata-se do desgosto que sentia trabalhando com algo que não a trazia satisfação, e que nem era da sua área de formação. Ela estava infeliz, principalmente por ter que lidar com pessoas das quais não suportava e com o assédio de seu supervisor. Inegavelmente, todos passamos por isso, o cansaço, a estafa e o descontentamento em determinado serviço, levam a um cotidiano penoso e começamos a nos perguntar se fazer parte de uma rotina árdua, é mesmo necessário. 

No começo a descoberta de novos ares, com o início da faculdade, mais a mudança para Tokyo, trouxeram uma atmosfera ampla dos sonhos e futuros objetivos, mas com o tempo aquilo que antes era uma visão de esperança com um misto de nervosismo, se aperta cada vez mais, trazendo para perto inúmeras incertezas. O enredo nos mostra, que devido à pressão constante que a sociedade impõe, a maioria se força a manter um controle “falso” de si mesmo. Isso acaba trazendo uma sensação de prisão constante, que nada mais é do que viver em função de algo que não lhe agrada, com o único fim de sustento e sobrevivência, e a lamentavelmente a vida é assim.  

PRIMEIRO PASSO   

A trama de Solanin se inicia com ambos já formados na universidade a 2 anos. Muitos se sentem um pouco perdidos com o término da graduação, o que parece ser o caso dela e de seu namorado, mesmo que já tenham se formado a algum tempo. Aliás a entrada na vida adulta nos traz uma clareza de coisas, que talvez não sejam para o nosso próprio bem, ao contrário do que muitos dizem.  

Um dos pontos mais significativos, já ocorre no final do primeiro capítulo, quando Meiko decide pedir demissão, representando a liberdade de escolha dela. Decerto, a liberdade é algo a ser prezado, mas o que fazer com ela, quando não se tem um objetivo em mente, esse era o caso da Meiko. Ela não sabia o que queria fazer, ou o que a trazia felicidade, a única coisa da qual tinha conhecimento era de que queria estar com Taneda.  

© Inio Asano / Meiko e Taneda


Taneda
também queria estar com Meiko, mas por outro lado, continuava a trabalhar como ilustrador de meio período em um jornal, na qual não era seu foco e estava infeliz . O salário era muito ruim e ele dependia da Meiko para complementar a renda da casa.  Essa mudança brusca que ocorre na vida dos dois com o pedido de demissão da Meiko, foi o primeiro passo de uma série de acontecimentos que culminam mais tarde, em um dos momentos mais tensos de todo o mangá. 

BANDA ROTTI 

Tanto Meiko quanto Taneda, na época em que eram estudantes universitários, fizeram parte do clube de rock da faculdade. Lá eles montaram uma banda e formaram amizades que permaneceram mesmo após o término da graduação. Nesse ponto são apresentados os novos personagens, por meio da composição da banda Rotti, que incluía: Taneda (vocalista e guitarra), Katou (baixo) e Jirou (bateria). Ai e Meiko apenas integravam o clube, inclusive foi lá que ela conheceu Taneda e o relacionamento dos dois se iniciaram.  

© Inio Asano / Banda Rotti 

  

Apesar de Meiko e Ai, não fazerem parte da banda, elas sempre estavam nos ensaios, incentivando e apoiando os meninos. Esses cinco amigos tinham o grande sonho de que a banda um dia pudesse entrar para o mercado musical. Com o fim da faculdade, os meninos se encontravam duas vezes por mês para ensaiar, mantendo a banda somente como um hobby, entretanto como dito anteriormente, eles sonhavam em assinar com uma grande gravadora e levar a banda a novos patamares.

Em determinado momento, Taneda compõe uma música e a nomeia como “Solanin”, por isso o mangá leva esse nome. Aliás era ele que escrevia a maioria das músicas da banda, mas apesar de todo esse anseio de viver o seu maior sonho, Taneda tinha medo de tentar investir nele. Esse receio de arriscar, era de que algo pudesse dar errado e não conseguisse retornar ao emprego, já que necessitava dele para se manter.  

INOUE MEIKO

Meiko sempre esteve muito perdida, ela não tinha um objetivo para alcançar. Após seu pedido de demissão conseguiu se manter por um tempo devido às economias que havia feito, pois como relatado acima, o emprego que Taneda possuía não pagava o suficiente para que ele conseguisse manter os dois sozinho.

© Inio Asano / Meiko

No que se refere a sua família, ela sentia uma certa pressão em grande parte vinda da mãe, visto que em decorrência de uma visita inesperada, ela descobre que Meiko estava desempregada. Mesmo que no início ela se sentisse assim, sua mãe era compreensiva e ao conhecer Taneda e descobrir que Meiko estava vivendo com ele, sua genitora apoia a decisão e o namoro da filha. Em dado momento, o autor faz um paralelo entre as duas, uma vez que, a mãe da Meiko havia passado por coisas similares quando tinha a mesma idade, por isso de certa forma compreende a situação, mas alerta o casal para que saibam a forma como viverão suas vidas dali em diante.  

Em virtude desses acontecimentos, Meiko também vivia constantemente aflita, ao passo que seu dinheiro ia acabando e via Taneda sujeitando-se diariamente a algo que o estava esgotando. Todavia ela tinha medo de destruir seu relacionamento falando sobre questões que envolviam o futuro dos dois e principalmente o de Taneda

NARUO TANEDA

Solanin indica que ambos tinham pensamentos excessivos sobre o futuro, mas de alguma forma isso o atingia mais. Nota-se que Taneda é o mais sentimentalista da relação, tendo uma visão meio simplista e estabanada da vida, embora consiga disfarçar muito bem sua preocupação incessante com o que estaria por vir e o acúmulo de coisas que sentia.  

© Inio Asano / Taneda

Em dado instante, Meiko de maneira imperceptível, coloca a obrigação e responsabilidade de escolha em cima de Taneda, como se apenas ele tivesse que decidir o que fazer. Nenhum dos dois tinham noção do caminho no qual queriam seguir, já que tinham medo de que tudo desse mais errado do que já estava e acabassem desmoronando de vez, mas na verdade Taneda sabia bem que aquilo que o traria felicidade genuína seria poder viver de música, fazendo o gosta que é tocar, compor e cantar.  

Ele vivenciava uma monotonia angustiante, sendo comprovado mais tarde por suas anotações em seu diário. Essa afirmação apenas enfatizou o que o leitor já havia percebido, que Taneda tinha receio de romper com aquilo que não o agradava, a rotina o mantinha preso, e consequentemente o levou a um nível de desgaste mental enorme.  

Meiko também se sentia sufocada, de modo que tudo ao redor dela, a reprimia, tornando-a cada vez menor diante das adversidades. Essa pressão que a vida nos impõe, faz isso, nos deixa sem rumo, e esse ponto em questão é bastante abordado durante o desenrolar do enredo. E apesar de pequenas oscilações no relacionamento, tanto Taneda quanto Meiko seguiam amando um ao outro.  

AMIGOS

É imprescindível, o papel no qual esses três amigos desempenham na vida do casal e a forma como viviam, também nos passam diversas visões e ensinamentos sobre o que é ser feliz. Já adianto que nenhum dos três eram, mas lidavam com isso de maneira mais sóbria. A seguir faço uma sucinta apresentação dos três personagens que mais contribuem ao enredo de Solanin, além de Meiko e Taneda.

© Inio Asano / Da Esquerda pra direita Katou, Jirou e Ai

 

KOTANI AI  

Comecemos pela melhor amiga de Meiko, Kotani Ai. Ao longo da história, ela sempre esteve presente como um grande apoio, fazia o papel de mãe do grupo. Aliás muitos dos conselhos bons que Meiko recebeu foram de sua amiga, Ai inclusive aconselha Meiko a expor sua preocupação e opinião para o Taneda, em relação ao sonho dele, todavia Ai também tinha suas preocupações diárias. Ela trabalhava como vendedora em uma loja, e em determinado momento, é oferecida a ela uma promoção na cidade de Sendai, ou seja, muito distante de seus amigos, e de tudo que havia construído.

Isso fez com que Ai entrasse em um grande dilema consigo mesma, principalmente porque teria que deixar o namorado Katou. O leitor nesse momento consegue perceber o quão difícil às vezes é tomar uma decisão e seguir em frente com isso, bom, não revelarei a escolha dela, pois o ideal é que quem não conhece a história, leia e descubra. 

KENICHI KATOU

Outro personagem muito importante para trama, é o Katou, baixista da banda e namorado de Ai. No decorrer do enredo o vemos ainda na faculdade, enquanto todos os seus amigos já haviam se formado, ele estava preso em seu sexto ano, pois até aquele momento não havia conseguido se graduar. Claramente nota-se que ele se sentia inútil, por ainda não ter obtido esse êxito. O sentimento de insuficiência o seguia, era como se as piadas que fazia, fossem um escape para o vazio que sentia.

Depois de um tempo, Katou finalmente arruma um emprego, mas não consegue se ver feliz, porque um misto de confusão o cobria, talvez isso se deva ao fato dele não se ver contente com a vida dessa maneira, isso não era o que trazia a ele, o verdadeiro sentimento de realização. 

JIROU YAMADA (BILLY)

Por fim, Jirou, o baterista da banda, mais frequentemente chamado por seu apelido Billy, trabalha na farmácia da família e consequentemente herdaria o negócio. Todos os dias eram iguais e ele vivia uma monotonia, se perguntando se era isso mesmo que queria, ele também tinha receio de romper com a rotina diária e angustiante que levava. Um episódio em particular me chamou muita atenção, ocorre que durante uma conversa dele com um idoso, esse senhor conta a história de sua amada, que traz várias lições muito simples, mas ao mesmo tempo necessárias, e que causam um sentimento de reflexão ao leitor, através de um simples pedido de agradecimento. Jirou contribuiu muito com a carga emocional do mangá, principalmente nos momentos os quais conversava com a Meiko. Então Meiko o pergunta:  

“Se você falecesse agora, estaria feliz com a vida que levou?”   

E aí, o que você responderia?  

Na verdade, Meiko o questionava sobre coisas que ela mesma não tinha a resposta para si. Mais tarde, Jirou a responde da seguinte maneira:  

“Apenas ser capaz de viver a vida, já é bom o bastante”  

Essa foi uma breve introdução dos três personagens mais importantes da obra, além dos principais (Meiko e Taneda), mas obviamente há outros que também agregam de maneira significativa a história.  

 

PONTO DECISIVO 

Taneda não tinha confiança na própria música, o medo de tentar e falhar era muito maior, por isso Meiko tinha anseio de questioná-lo sobre esses assuntos, já que como dito anteriormente poderia afetar o relacionamento dos dois. A exaustão o tomava de tal maneira que o peso em suas costas, simplesmente não desaparecia, ocasionando uma sobrecarga e tormenta de suas inseguranças.  

Por vê-lo assim, Meiko se via aflita e sem rumo. O ato decisivo que posteriormente dá forma ao ponto mais tenso de todo o mangá, começa quando finalmente ela decide perguntar ao Taneda se ele deseja viver de música. Em decorrência dessa fala, aparece na cena a nova sandália da Meiko, que simboliza a tomada de decisões, onde finalmente a caminhada se iniciaria, representando um novo rumo, difícil, mas necessário. Taneda então pede demissão e resolve dar uma chance a banda, o que é apoiado por seus companheiros Jirou e Katou, que prontamente veem uma oportunidade de também realizarem seus sonhos.  

A partir daqui nos é mostrado, os percalços para que a banda pudesse ter sucesso em seu objetivo, mas o que acontece depois, muda de vez o rumo da história, chocando o leitor. Não vou revelar de maneira alguma, o que ocorre após este momento, visto que a leitura do mangá, vai proporcioná-lo uma experiência marcante. Porém afirmo que daqui em diante, a carga emocional de Solanin o prende de tal forma, que dificilmente você não se emociona com as adversidades apresentadas e o processo de amadurecimento dos personagens.   

 

LIVE ACTION (FILME)

Em abril de 2010, foi lançado um live action do mangá de Solanin, dirigido por Takahiro Miki e estrelado pela famosa atriz Aoi Miyazaki. Nele a banda Asian Kung-Fu Generation produziu a melodia e o arranjo da canção que deu nome ao mangá. Tal música, também chamada “Solanin” foi relatada mais acima, na parte em que expliquei que o Taneda a escreveu, ou seja, o próprio Asano compôs a letra da música. Não muito tempo atrás, fiz um texto sobre Asian Kung-Fu Generation, onde você pode conhecer melhor a banda e entender a relação entre eles e Inio Asano (Aqui). O filme obteve uma ótima aceitação da crítica e do público, pois se manteve bem fiel ao mangá, tanto pela história quanto pelas demais características da obra.

Todos atores são muito parecidos com os personagens do mangá, além de terem atuado maravilhosamente. Aliás o ator que interpreta o personagem Kenichi Katou no filme, é baixista da famosa banda japonesa Sambomaster. Segue o trailer do filme: 

OBS: Estou postando o trailer do filme para quem tem curiosidade, mas já aviso que tem SPOILERS bem reveladores sobre a história, então se quiser assistir fica por sua conta o risco >.<

 

 

CONSIDERAÇÕES FINAIS 

Solanin nos deixa inúmeras lições de vida e nos mostra a realidade do mundo em que vivemos. Entre essas lições, a definição de felicidade está atrelada fortemente a premissa da obra. Diversos questionamentos nos rodeiam durante a leitura, tais como:  

  • O que é ser feliz ?  
  • Qual é o seu sonho ?  
  • O que eu devo fazer ?  
  • Você trabalha com o que gosta ?  
  • Qual caminho devo seguir ?  
  • Você pode realmente dizer que é feliz da maneira que está vivendo?  

O mangá deixa claro a diferença de fazer algo que realmente ama, pois trabalhar com o que não gosta, acaba sugando o prazer de viver. Quem sabe ser feliz seja fugir da realidade, já que cada pequena coisa exerce influência em nossa vida, ou seja, a coisa mais insignificante pode nos afetar drasticamente.  

O mangá pontua que quanto maior o sonho, mais hesitantes ficamos, contudo é cansativo viver uma vida sem riscos. Corra atrás dos seus sonhos, por mais difíceis que eles sejam, uma vez que o sentimento de realização e satisfação no final serão memoráveis. Sei que dizer tudo isso parece tão clichê, já que é “mais fácil falar do que fazer”. Você se vê em inúmeros momentos do mangá, chora e reflete o quão difícil é se manter positivo nesse mundo, sem pensamentos autodestrutivos. 

Solanin evidência ainda, que preocupações diárias sobre sobrevivência, críticas, comparação com o outro, pensamentos destoantes sobre o que de fato fazer e diversos outros pesares abordados, levam a um final inevitável de angústia e autopunição, tirando o sentido de viver. Entretanto a vida precisa continuar, independente das tragédias, o que mostra a vulnerabilidade que é o ser humano em si, pois o menor dos ferimentos na alma pode vir a ser fatal.  

MENSAGEM DE SOLANIN

A vida é feita de tomada de decisões e de coisas que não conseguimos realizar, mas é aí que começamos a nos perguntar se teria sido diferente, se não tivéssemos feito isso ou aquilo. Talvez colocar os pensamentos em ordem, seja o primeiro passo para se ajustar diante dos obstáculos da vida. 

O início da vida adulta retratado nada mais é, do que a realidade mais próxima do que passamos. Gosto de Solanin, pois exprime sentimentos que não percebemos sobre nós mesmos, sentimentos esses ocasionados pelos embaraços da vida. Esse mangá me absorveu de tal maneira que passei a me perguntar coisas como:

  • Até quando a nossa própria existência será um fardo ?
  • Até quando apenas sobreviver será mais importante do que ser feliz ?

O medo e a responsabilidade andam atrelados ao desespero. Infelizmente a nossa pior prisão é aquela em que você mesmo se sabota. Solanin exemplifica muito bem o papel que a dúvida entre ir e ficar, fazer ou não fazer, exerce em nós, por isso não deixe que o receio de tentar, consuma a sua vontade de viver. Manter-se convicto em seu objetivo diante da vida, é uma tarefa difícil, mas continue caminhando em direção ao alvo. 

Espero tê-lo feito refletir sobre alguns pontos importantes que inevitavelmente fazem parte da vida, mas que muitos não param para pensar sobre. Comente abaixo o que achou e não esqueça de ler Solanin, você não vai se arrepender.  

Até o próximo texto!  

Leia também:
SOLO LEVELING – A CORAGEM DO MAIS FRACO !
ASIAN KUNG-FU GENERATION – A Banda que dominou a TV Brasileira!
Minha Experiência Lésbica com a Solidão – SAÚDE MENTAL TAMBÉM É IMPORTANTE!

Bruna Tavares Arrais

Possuo um grande amor pela cultura japonesa. Aliás a grande maioria das músicas que escuto são J-Rock, mas curto Kpop também, além disso sou colecionadora de mangás, amo ir em eventos de anime e de quebra as vezes faço cosplay. 22 anos, Pós-graduanda em Direito Tributário Internacional e estudante de japonês a 4 anos. Me sigam nas redes sociais 😁

Posts Relacionados